Tucanos e Solidariedade vão de Francischini para prefeito

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

O PSDB e o Solidariedade, que realizaram convenções nesta quinta-feira (10), confirmaram coligação com o PSL na eleição para a Prefeitura de Curitiba. Com isso, os dois partidos vão apoiar a candidatura do Delegado Francischini, que é deputado estadual.

A aliança em torno de Francischini é fruto de  acordo entre tucanos e o PSL em âmbito nacional. Ele participou da convenção ao lado do deputado estadual tucano Michele Caputo e disse que o PSDB foi seu primeiro partido.

Francischini também esteve na convenção do Solidariedade e conseguiu fechar coligação na majoritária entre os partidos, com a possibilidade ainda de indicar o vice da chapa, mas a posição ainda vai ser discutida com outros aliados. O Solidariedade montou chapa completa para vereador, com 57 nomes.

 

4 comentários em “Tucanos e Solidariedade vão de Francischini para prefeito”

  1. Que tal.
    É a turma do camburão do chorume em peso.
    Os mesmos que moeram de pau os professores.
    É um revival do desgoverno do piá de carpet Beto Richa.
    São os privatizadores todos unidos.
    Entreguistas de primeira hora.
    São os mesmos da equipe de corrida Richa; velozes e furiosos.
    Não é bonito isso?
    Essa é a candidatura mais apoiada pelos professores do Paraná!!

  2. Só eles que vão com esse senhor para algum lugar, pq o próprio, esse não vai a lugar as lgum.

    Tem gente que passa a vida vivendo desonradamente, mas que um dia tomam uma decisão que muda tudo, e tem gente que é o inverso

    Muitos policiais estão respondendo ação administrativa pq se negaram a obedecer a ordem: ” cortem-lhes as cabeças!”

    Independente de toda e qualquer coisa, no fim, somos nós que decidimos o que vamos fazer com nosso futuro, sempre podemos escolher fazer o certo.

  3. Eu penso que, com a desistência de Ney Leprevost, Gustavo Fruet e Luciano Ducci e ainda contando com o apoio do Presidente Bolsonaro, o Fransischini pode sim ameaçar a reeleição de Rafael Greca. Por exemplo, quem não é eleitor do Greca, e olha que dee ter muitos, vai votar em qual candidato, que tenha a mínima chance de se eleger. Eleição tem muita surpresa, apesar do excesso de otimismo da turma do já ganhou.

Deixe uma resposta