Ratinho atrai os “cinco cabeças” da Assembleia para sua base

Já faz algum tempo que o governador Ratinho Jr – até bem antes da posse – descobriu a fragilidade de sua base na Assembleia e se convenceu da necessidade de incorporar a ela a experiência de alguns deputados que estiveram do outro lado na disputa eleitoral.

Com metade da Casa que a partir de 1.º de janeiro será formada por deputados novatos ou inexpressivos políticos paroquiais, o governador corre o risco de enfrentar dificuldades de diálogo em torno de projetos importantes e que digam respeito a políticas públicas que pretende implantar. Sabe que não pode contar exclusivamente com a ainda não comprovada capacidade de articulação do deputado Hussein Bakri, que escolheu para ser seu líder.

Alexandre Curi, Tiago Amaral, Romanelli e Jonas Guimarães com Hussein Bakri (ao centro)

Por isso, Ratinho buscou e conseguiu aproximação com os cinco “cabeças” da Assembleia – deputados do PSB, partido que fez parte da coligação da adversária Cida Borghetti. Da tribuna muitas vezes, mas sobretudo nos bastidores, Luiz Cláudio Romanelli, Alexandre Curi, Tiago Amaral, Jonas Guimarães e Artagão de Mattos Leão acumulam quilometragens de vivência incomparavelmente maiores do que quase todos os demais deputados da Casa.

A inclusão da bancada do PSB na base dá segurança e tranquilidade a Ratinho para o trâmite rápido e favorável das matérias que propuser. Uma primeira reunião de trabalho com o líder Hussein Bakri serviu para inaugurar o arranjo (foto).

E agora, com a presidência da Assembleia nas mãos do primeiro-aliado Ademar Traiano (PSDB do grupo Beto Richa, que abandonou Cida para ser cabo eleitoral de Ratinho), somada à experiência da turma do PSB, só falta ao governador sepultar de vez o sonho do enrolado bolsonarista Fernando Francischini de se eleger para a estratégica Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). É possível que, nos bastidores, Ratinho venha a atuar em favor de Tiago Amaral – um dos “cinco cabeças” do PSB.

2019-01-09T15:32:26+00:00 09 janeiro - 2019 - 15:29|Brasil, Paraná, Política|4 Comentários


4 Comentários

  1. gerson luiz zaguine 9 de janeiro de 2019 em 19:11 - Responder

    Nada de novo ainda nesse atual governo, totalmente fora do seu discurso eleitoral. Não adianta a velha política sempre prevalecerá, tudo em nome do Estado.

  2. João 9 de janeiro de 2019 em 21:24 - Responder

    Qual o preço que isso vai custar?

  3. Imparcial 9 de janeiro de 2019 em 23:03 - Responder

    Votei no ratinho na esperança dele restruturar o depen, bem no fim deixou os mesmos lá, fizeram um monte de cagada e lá estao…. Voto perdido!

  4. Rock 10 de janeiro de 2019 em 13:08 - Responder

    Bem se essas são as principais cabeças imagine o resto dá até medo.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta