Depois de pilotar motocicletas e jet skys, o presidente Jair Bolsonaro também cavalga, como mostrou na noite deste sábado (17) durante a abertura oficial da Festa do Peão de Barretos, a principal do gênero no país. Sob aplausos e gritos de “mito” das arquibancadas que reuniram 30 mil pessoas e acompanhado por uma entusiasmada narração do animador do evento, ele deu duas voltas na arena montado num vistoso alazão.

Aproveitou também para assinar atos, como o decreto que passa a permitir práticas como a Prova do Laço, modalidade que desde 2006 era proibida em Barretos por uma lei municipal criada para impedir sofrimento dos animais. O decreto que assinou, no entanto, diz que servirá para garantir o bem-estar e as condições sanitárias dos animais usados nos rodeios. A partir de agora cavalos e bois dos rodeios ficarão sob a responsabilidade do ministério da Agricultura. Isto é, a lei municipal de Barretos já não vale mais nada.

Ao discursar, Bolsonaro repetiu o compromisso de defender o produtor rural: “Não voltei para cá com o intuito de demarcar terras indígenas ou quilombolas. Enquanto eu for presidente, o desenvolvimento estará acima de tudo. Neste governo não existe o politicamente correto, faremos o que tem que ser feito”, afirmou.