O juiz federal Paulo Sergio Ribeiro, da 23.ª Vara Criminal de Curitiba, aceitou na noite desta quarta-feira (13) a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal contra Fernanda Richa, mulher do ex-governador Beto Richa. Ela foi acusada pelo crime de lavagem de dinheiro e incluída na mesma ação penal de que já são réus o marido e o filho dela, André. Beto e o filho do casal também passaram a responder por lavagem, além de corrupção nos esquemas de troca de vantagem com as concessionárias de pedágio do Paraná investigados pela Operação Integração.

Em depoimentos prestados ao MPF, Fernanda assumiu que era dela a responsabilidade pelos negócios imobiliários realizados pela empresa Ocaporã, que mantém em sociedade com os filhos André e Marcello. Um dos negócios – a compra de terreno num condomínio de luxo em Curitiba com R$ 930 mil em dinheiro vivo – caracterizou o valor pago como fruto de propinas. Como é casada em comunhão de bens e como André afirmou, em outro depoimento, que o pai sempre tinha a palavra final quanto as negócios da empresa (embora não fosse sócio formal), o MPF e o juiz entenderam que todos devem responder por lavagem.

Na mesma decisão, o juiz Paulo Ribeiro tornou também réu o contador da Ocaporã, Dirceu Pupo Ferreira, pessoa de confiança da família que concretizava os negócios e entregava os valores em espécie.

Veja a íntegra da decisão:

RECEBIMENTO FERNANDA