Ratinho confirma empresário mineiro para a Educação

Confirmado: Renato Feder é CEO da Multilaser, empresa com 3 mil funcionários e que atua no segmento de eletrônicos e informática, será mesmo o secretário de Educação do Paraná no próximo governo. A escolhida foi confirmada há pouco pela assessoria do governador eleito Ratinho Jr.

Feder é formado em Administração na FGV e mestrado em economia na USP. À frente da empresa, ele já vem se dedicando à área da educação por meio de patrocínios a feiras de Ciências. Sua empresa financiava a ida de estudantes brasileiros para eventos no exterior. Durante oito meses assessor voluntário da Secretaria de Educação de São Paulo.

Professor de matemática por oito anos e professor de economia no Mackenzie por quatro anos, é pai de 3 filhos: Leonardo 6 anos, Alberto 4 e Felipe 2. Também foi diretor por oito anos do Colegio ALEF, escola de São Paulo sem fins lucrativos.

Feder e Ratinho se conheceram em um evento em São Paulo e, desde então, o empresário tem atuado como consultor do político para a área de educação.

“É um nome de muita credibilidade, com experiência em diferentes áreas do conhecimento, na estrutura da educação pública e na educação aplicada”. Feder disse que sua escolha é uma decisão baseada no que representa o projeto de Ratinho Junior: “escolhi fazer da educação do Paraná a melhor do Brasil. O projeto do Ratinho Junior me dá a garantia de que vamos conseguir”.

2018-11-08T08:32:45+00:00 07 novembro - 2018 - 19:36|Brasil, Paraná, Política|1 Comentário


Um Comentário

  1. Cadê o MP 8 de novembro de 2018 em 08:20 - Responder

    Dona Maroca, professora de Bom Sucesso, acredita piamente no mérito reconhecido pelo salário digno.
    O resto é conversa de Quadro Negro.

    Lá vem a Secretária De Education de Jaime Lerner, a Saliva da Saliba, e as viagens a Faxinal do Céu?

    https://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/tc-condena-ex-secretaria-da-educacao-de-jaime-lerner-ak5coo80ibw3fsmse9ohsknda

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta