O presidente da Associação dos Delegados da Polícia Civil do Paraná (Adepol), Daniel Fagundes (foto), diz que a categoria aplaude o decreto baixado pela governadora Cida Borghetti que retira dos profissionais da Polícia Civil (delegados, investigadores, escrivães) a responsabilidade de fazer a guarda das carceragens instaladas nas delegacias.

Em nota para o Contraponto, Fagundes destaca que “tendo em vista a não construção dos 14 presídios prometidos pelo governo Beto Richa, a solução possível foi a que se concretizou pelo decreto”, que determina que “o Departamento Penitenciário (Depen) assuma 6.100 presos que estão nas unidade da Polícia Civil!.

Atualmente, diz ele, 60% dos presos estão “sob a responsabilidade indevida da Polícia Civil e a passagem para o Depen é um grande avanço nessa área tão espinhosa do estado, que a questão prisional”.

Fagundes lembra que “quase nada foi feito nos últimos 15 anos nessa seara. Portanto, vemos tal ato como um avanço, pois desafogará a Polícia Civil, possibilitando que pelos menos nas 37 comarcas definidas pelo decreto, nossos profissionais possam retomar com exclusividade fim para a qual é vocacionada legal e constitucionalmente”.