Em pouco mais de um mês de atuação durante a temporada de verão 2019/2020, helicópteros do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA), no Litoral do Paraná, já socorreram pelo menos meia centena de vítimas de afogamento, de acidentes de carro, de quedas, de infartos, AVCs, intoxicações e envenenamentos, além de buscas aquáticas e terrestres, com remoções para atendimento em centros médicos.

Um dos últimos casos ocorreu na Ilha do Mel, quando um veranista sofreu uma queda que resultou em fratura grave. Socorrido inicialmente pelo Samu, verificou-se a necessidade de transporte da vítima pelo socorro aeromédico – procedimentos realizados em poucos minutos.

Estas remoção aeromédica exemplifica várias histórias de pessoas que sobreviveram graças ao socorro rápido das aeronaves do Batalhão, o que evita um deslocamento demorado pela estrada, relata o comandante do BPMOA, tenente-coronel Julio Cesar Pucci dos Santos.

“O resgate envolve todo tipo de recolhimento de vítima na cena do acidente, seja ele na rodovia, na beira da praia ou na montanha, já o salvamento é a retirada da vítima da água”, explica o tenente-coronel Pucci. A remoção, por sua vez, ocorre quando a aeronave é acionada para retirar um paciente de um centro hospitalar de menor complexidade para um de maior complexidade.

Desde o dia 20 de dezembro de 2019, quando iniciaram-se oficialmente os trabalhos do Verão Maior 2019/2020, os integrantes do BPMOA já concluíram quase uma centena de operações aéreas. O número corresponde aos atendimentos em apoio ao Corpo de Bombeiros e à Defesa Civil e operações policiais.