Já era madrugada do dia 11 de maio de 2018 quando se descobriu a existência da gravação de uma conversa que Deonilson Roldo, então chefe de Gabinete do governador Beto Richa, tivera pouco antes do carnaval daquele ano com o executivo Pedro Rache, representante do grupo Bertin, interessado em participar da licitação da PR-323 – uma obra rodoviária de R$ 7 bilhões e que daria ao vencedor um contrato para pedagiar a estrada de 220 quilômetros por 30 anos.

Deonilson não sabia que Rache guardava no bolso um celular para gravar toda a conversa e nele ficaram registradas insinuações do influente assessor de Richa de que o governo já tinha firmado compromisso com a Odebrecht. Em troca para sair da concorrência, oferecia-lhe possíveis vantagens num negócio na Copel.

A gravação comprometedora foi parar nas mãos da Lava Jato, entregue pelo empresário Tony Garcia, que firmara acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal. E foi esta fita o estopim para que se descobrisse todo o resto e mais um pouco. E que culminou nesta quarta-feira (22) com a sentença da 23.ª Vara Federal de Deonilson Roldo e do operador Theodócio Atherino.

Siga o link abaixo e veja como o Contraponto registrou toda a história. Aproveite e ouça de novo a gravação.