PF pede ao STF abertura de inquérito para investigar Toffoli por suposta venda de decisões

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

A Polícia Federal (PF) encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedido de abertura de inquérito para investigar supostos repasses ilegais ao ministro Dias Toffoli. O pedido tem como base o acordo de colaboração premiada do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral.

Segundo informações obtidas pela coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, o ex-governador afirma que Toffoli recebeu R$ 4 milhões para favorecer dois prefeitos fluminenses em processos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Toffoli foi ministro da corte de 2012 a 2016, tendo sido presidente de maio de 2014 a maio de 2016.

Os pagamentos, segundo Cabral, teriam sido realizados nos anos de 2014 e 2015 e operacionalizados por Hudson Braga, ex-secretário de Obras do Rio de Janeiro.Os repasses, na versão do delator, teriam envolvido o escritório da mulher de Toffoli, a advogada Roberta Rangel.

Essa é a primeira vez que a Polícia Federal pede ao Supremo apuração que envolve um ministro da própria corte.Os casos de venda de decisão por magistrados são enquadrados como crime de corrupção passiva.

atribuição do presidente Luiz Fux, que se declarou impedido de atuar nesses processos.

O ministro Dias Toffoli afirmou, por meio da assessoria, não ter conhecimento dos fatos mencionados e disse que jamais recebeu os supostos valores ilegais.E refutou a possibilidade de ter atuado para favorecer qualquer pessoa no exercício de suas funções

Deixe uma resposta