Palocci conta que equipe de Lula escondeu provas

O ex-ministro Antonio Palocci disse em delação premiada que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabia antecipadamente que seria conduzido coercitivamente (isto é, levado à força para depor), em março de 2016. O depoimento do ex-ministro foi tomado em abril do ano passado pela Polícia Federal de Curitiba, mas somente nesta quinta-feira seu conteúdo foi revelado.

Conforme o depoimento, Paulo Okamoto e Clara Ant, presidente e assessora do Instituto Lula, ficaram sabendo que ocorreria uma operação contra o ex-presidente, mas sem saber se seria cumprida prisão ou condução coercitiva.

Segundo Palocci, Okamoto informou que teria “feito uma limpa” na casa dele em Atiabaia (SP), assim como Clara.

O ex-ministro afirmou também que eles lamentaram o fato de que Lula não tenha feito o mesmo e que por isso foram encontrados documentos comprometedores na casa do ex-presidente e no sítio em Atibaia.

Veja a íntegra do depoimento de Palocci:

2019-02-08T09:42:42+00:00 08 fevereiro - 2019 - 01:45|Brasil, Paraná, Política|1 Comentário


Um Comentário

  1. Eduardo Pereira 8 de fevereiro de 2019 em 08:11 - Responder

    E voces acreditaram? Parabéns.

    ContraPonto insiste na politica de tentar se aproximar do atraso, parecendo que não tem nada com isso.

    Esta é a contribuição do jornalismo do PR ao Brasil: dar voz aos mentirosos e com isso ajudaram a por o maior deles no mais alto cargo da República

    Tão entendendo por que não ha mais emprego para jornalista fora da Internet? Voces so papagueiam as coisas, pois ir atras das respostas que é bom , nada.

    Ainda bem que a PF ate onde sei filmou tudo. Deviam então, pelos relatos , dar alem do Nobel , um Oscar pela atuação demonstrando espanto.

    O cara gosta de grana. Nem o pastor que agpra quer ser PGR aceitou o caô.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta