TJ mantém Carli Filho fora da prisão

A Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) decidiu, nesta quinta-feira (7), reduzir a pena do ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho para sete anos, quatro meses e 20 dias de prisão em regime semiaberto. A informação é do Portal G1/PR.

Carli Filho foi condenado por júri popular em fevereiro do ano passado, por duplo homicídio com dolo eventual a nove anos e quatro meses de prisão – pelas mortes de Gilmar Rafael Souza Yared e Carlos Murilo de Almeida – em um acidente de trânsito, em 2009.

Desde a condenação, o ex-deputado aguarda em liberdade o julgamento da apelação do júri popular. O julgamento começou em 12 de dezembro e foi suspenso por divergências sobre o tempo de prisão.

Os desembargadores retomaram o julgamento nesta quinta-feira (7), com a conclusão pela redução da pena, com cumprimento em regime semiaberto.

O Departamento Penitenciário do Paraná (Depen-PR) informou que devido ao número de presos à espera por vagas no regime semiaberto ser maior do que as vagas disponíveis, o ex-deputado deve cumprir a pena com o uso de tornozeleira eletrônica.

Os desembargadores não avaliaram se Carli Filho é culpado ou inocente, isso já foi feito pelo júri, que é soberano. Os magistrados apenas analisaram se o julgamento seguiu o rito legal e se o cálculo da pena, fixada em 9 anos e 4 meses de prisão, pelo juiz Daniel Ribeiro Surdi de Avelar estava adequada.
2019-02-08T10:31:20+00:00 08 fevereiro - 2019 - 10:10|Brasil, Paraná, Política|4 Comentários


4 Comentários

  1. Oto Lindenbrock Neto 8 de fevereiro de 2019 em 10:41 - Responder

    Viva a República de Curitiba, capital do Moronhão! Aqui se cumpre a lei! E a lei é para tolos, ops, para todos…

  2. Rock 8 de fevereiro de 2019 em 14:12 - Responder

    Vergonha isso que alguns tem coragem de chamar de justiça, pobre, preto, ptista e puta a lei acima da lei e ricos e branquelas somente a paixão da lei.

  3. Eduardo Pereira 8 de fevereiro de 2019 em 15:22 - Responder

    O Lula devia demitir seus advogados e contratar só advogado do Carli e do Richa. Os do youssef também.

    E é bem isso que acho que o moro , o nosso Judge Dread como bem definiu o Fabio Ribeiro , vai fazer no Ministério: ajudar os amigos e perseguir os inimigos .

    è a cereja no bolo do judiciario da republica de Curitiba onde se cumprem as leis. Quando interessam. eE para quem interessam.

    • Raquel 10 de fevereiro de 2019 em 00:32 - Responder

      Advogado do Youssef era o Kakay. O mesmo do Aécio, José Dirceu, Roseana Sarney, Joesley, do ex-ministro do STJ (amigo do Gilmar e do Noronha) da operação furacão Rio-Paraná . Todos livres.
      O Lula não contratou o advogado mais famoso da Lava-jato, agora não pode reclamar. Foi ouvir a Gleici do BBB.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta