Novas pílulas da delação de Fanini

Em pílulas, novos detalhes surgem dos depoimentos que o delator Maurício Fanini, o servidor da Educação que arquitetou o plano de fazer caixa desviando recursos da construção de escolas. Num dos trechos agora revelados surge um fato no mínimo pitoresco, contado por Fanini aos procuradores: no fim de 2011, Beto chamou Fanini na residência oficial da Granja do Canguiri e pediu que ele providenciasse uma empresa para construir uma academia de ginástica na casa. “Como assim?”, perguntou Fanini. “Veja lá uma empresa parceira!”, respondeu Richa.

Em outros trechos, o depoente relata como entregou a Luiz Abi Antoun, o poderoso primo-distante de Beto Richa, R$ 500 mil que teriam sido solicitados pelo ex-governador. Fanini dá o perfil de Luiz Abi: era o homem que mandava e desmandava no Palácio Iguaçu, que admitia e demitia secretários, um longa-manus do governador.

Abi foi à casa de Fanini que tomou todos os cuidados para não ser filmado pelas câmeras do edifício e entregou o meio milhão de reais solicitados pelo governador numa pastinha. Como tinha gasto parte do valor, Fanini teve de fazer um empréstimo pessoal para complementar o valor requerido.

Até hoje a delação de Maurício Fanini não foi homologada pela Justiça. Ele ainda espera esta decisão trancado numa cela da Polícia Federal em Curitiba.

2018-07-25T17:30:22-03:00 25 julho - 2018 - 16:34|Brasil, Paraná, Política|1 Comentário


Um Comentário

  1. Ricardo R 25 de julho de 2018 em 22:27 - Responder

    Ninguém em sã consciência vai homologar esse festival de ilações e factóides inventados pelo Sr. Fanini para incriminar nosso futuro senador tucano. E digo mais: as escolas foram todas construídas, sim senhor. O povo é que foi lá depois pra saquear e “depenou” as instalações. Levaram tudo, inclusive os tijolos e até mesmo o reboco das paredes que sobraram. Com um povo assim, quem consegue governar?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta