Morre o cientista político Francisco Weffort

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
O cientista político e ex-ministro da Cultural Francisco Weffort morreu nesse domingo (1), aos 84 anos. A informação foi confirmada pelo hospital Casa de Saúde São José, no Rio de Janeiro, onde Weffort estava internado. A morte foi em decorrência de um infarto do miocárdio.

Formado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP), Weffort participou da fundação do PT, sigla na qual ocupou o cargo de secretário-geral. O cientista político foi filiado à legenda até 1994, quando foi convidado a assumir o cargo de ministro durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Antes de ser nomeado ministro, Weffort participou ativamente da campanha das Diretas Já, mobilizações populares em prol do restabelecimento das eleições diretas para Presidência no Brasil.

Em 1984, foi aprovado como professor titular do Departamento de Ciência Política da USP. Na banca examinadora, estava Fernando Henrique, que foi seu professor no curso de graduação.

Ao ser convidado por FHC para assumir o cargo de ministro da Cultura, Weffort deixou o PT para não entrar em conflito com a ala de oposição ao governo tucano no partido. No cargo de ministro da Cultura, entre 1995 e 2002, defendeu o aumento do orçamento da pasta e fez alterações na Lei Rouanet.

Na sua gestão, foi implantada a Lei do Audiovisual, considerada responsável pela retomada da produção cinematográfica no país, ao permitir que o valor dos recursos destinados pelas empresas privadas ao financiamento de projetos fosse integralmente abatido no imposto de renda.

Weffort também foi fundador e presidente da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs), pesquisador do Centro de Estudos da Cultura Contemporânea (Cedec) e lecionou no Wilson Center e no Helen Kellogg Institute, ambas instituições nos EUA.

Entre seus livros publicados estão “Por que Democracia?”, de 1984, e “Qual Democracia?”, de 1992. (De O Globo).

Deixe uma resposta