Lava Jato se explica para o STF

Diante da decisão emitida pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, suspendendo o acordo feito entre a Lava Jato e a Petrobras, os procuradores da República que integram a força-tarefa requereram na noite desta sexta-feira (15) que a Justiça Federal encaminhe ao Supremo Tribunal informações que podem alterar do seu entendimento.

Os procuradores pediram ao juiz da 23.ª Vara Criminal a remessa do documento de 27 pontos que, segundo eles, asseguram a legitimidade do Ministério Público Federal para receber R$ 2,5 bilhões recuperados da corrupção na Petrobras e aplicar estes recursos em projetos sociais administrados por uma fundação de direito privado.

2019-03-18T16:29:11-03:00 15 março - 2019 - 20:33|Brasil, Paraná, Política|3 Comentários


3 Comentários

  1. Ricardo R 16 de março de 2019 em 11:28 - Responder

    Seletividade, parcialidade, arrogância, fome de poder e finalmente, ganância. Esses foram os piores defeitos da lava jato. Pena, poderia ter sido um ótimo instrumento para melhorar o país, mas arranjaram inimigos por todos os lados. Se quiserem culpar alguém, que comecem por si mesmos. Autocrítica e caldo de galinha nunca fizeram mal a ninguém.

  2. Joana Maria 17 de março de 2019 em 07:14 - Responder

    Já existe muitas entidades com estes fiins no País. Então repassem este dinheiro a elas e façam as cobranças da aplicação dos recursos. Não é função do Ministério público criar fundação. O STF está corretíssimo.

  3. Rock 17 de março de 2019 em 15:26 - Responder

    Existe sim essas entidades, mas qual seria a lógica passar esses recursos a elas depois de tanta batalha para por as mãos neles.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta