Diante da decisão emitida pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, suspendendo o acordo feito entre a Lava Jato e a Petrobras, os procuradores da República que integram a força-tarefa requereram na noite desta sexta-feira (15) que a Justiça Federal encaminhe ao Supremo Tribunal informações que podem alterar do seu entendimento.

Os procuradores pediram ao juiz da 23.ª Vara Criminal a remessa do documento de 27 pontos que, segundo eles, asseguram a legitimidade do Ministério Público Federal para receber R$ 2,5 bilhões recuperados da corrupção na Petrobras e aplicar estes recursos em projetos sociais administrados por uma fundação de direito privado.