Justiça não descansa: Beto e mais 32 viram réus do pedágio

O juiz da 23.ª Vara Federal Criminal de Curitiba, Paulo Sergio Ribeiro, aceitou neste fim de semana duas denúncias que o Ministério Público Federal apresentou contra o ex-governador Beto Richa e outras 32 pessoas por corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro no âmbito das duas fases da Operação Integração, que investigam suspeitas de delitos praticados nas relações entre o governo estadual e as concessionárias de pedágio no Paraná.

O magistrado acatou também o método adotado pelo MPF de dividir os denunciados, num total de 32 pessoas, em quatro núcleos – o político, o técnico, o de administradores das concessionárias e o de intermediadores de dinheiro em espécie.

Na descrição dos procuradores, a divisão dos participantes e das tarefas era a seguinte:

  • (i) NÚCLEO POLÍTICO: composto por agentes políticos com poder de decisão e influência sobre os demais agentes públicos para a realização de aditivos contratuais e outros atos administrativos em benefício das concessionárias de pedágio. Esses agentes tinham papel central no esquema de corrupção, sendo os recursos arrecadados vertidos para campanhas políticas ou para benefício próprio;
  • (ii) NÚCLEO TÉCNICO – DER/PR e AGEPAR: formado por diretores nomeados pelos agentes políticos e outros servidores públicos envolvidos no esquema criminoso, incumbidos de praticar os atos de ofício em favor das concessionárias de pedágio (trabalhos técnicos para justificar os aditivos contratuais em favor das concessionárias);
  • (iii) NÚCLEO DOS ADMINISTRADORES DAS CONCESSIONÁRIAS FAVORECIDAS: empresários relacionados às 6 concessionárias envolvidas no esquema criminoso (ECONORTE, VIAPAR, ECOVIAS, ECOCATARATAS, RODONORTE E CAMINHOS DO PARANÁ), que realizavam negociação com agentes corruptos, para a pactuação de aditivos contratuais favoráveis e também para definição da forma de pagamentos ilícitos em razão desses aditivos;
  • (iv) NÚCLEO DE INTERMEDIADORES DE DINHEIRO EM ESPÉCIE: inúmeras empresas que firmaram contratos (superfaturados ou “de fachada”) com as concessionárias de pedágio com o objetivo de produzir dinheiro em espécie para pagamento de vantagens indevidas, irrigando o esquema de corrupção e lavagem de dinheiro.

Cada um do seu quadrado, passam a responder na condição de réus de ações penais derivadas das Operações Integração I e II as seguintes pessoas:

  1. DEONILSON ROLDO
  2. JOSE ALFREDO GOMES STRATMANN
  3. ANTÔNIO CARLOS CABRAL DE QUEIROZ
  4. NELSON LEAL JUNIOR
  5. EZEQUIAS MOREIRA RODRIGUES
  6. ALDAIR WANDERLEI PETRY
  7. CARLOS ALBERTO RICHA
  8. MAURÍCIO EDUARDO SÁ DE FERRANTE
  9. JOSE RICHA FILHO
  10. RICARDO RACHED
  11. CLAUDIO JOSE MACHADO SOARES
  12. JOÃO MARAFON JÚNIOR
  13. JACKSON LUIZ RAMALHO SELEME
  14. JOSE JULIAO TERBAI JUNIOR
  15. JOAO CHIMINAZZO NETO
  16. JOSE CAMILO TEIXEIRA CARVALHO
  17. DAVI GUEDES TERNA
  18. ANTONIO JOSE MONTEIRO DA FONSECA DE QUEIROZ
  19. SANDRO ANTONIO DE LIMA
  20. HUGO ONO
  21. MARIO CEZAR XAVIER DA SILVA
  22. CARLO ALBERTO BOTTARELLI
  23. SILVIO ROGÉRIO MARCHIORI
  24. RUY SERGIO GIUBLIN
  25. LUIZ FERNANDO WOLFF DE CARVALHO
  26. BEATRIZ LUCIANA FERREIRA ASSINI
  27. JOSE ALBERTO MORAES REGO DE SOUZA MOITA
  28. CARLOS ROBERTO NUNES LOBATO
  29. EVANDRO COUTO VIANNA
  30. GUSTAVO MUSSNICH
  31. MARCELO STACHOW MACHADO DA SILVA
  32. LEONARDO GUERRA
  33. HELIO OGAMA

Veja a íntegra das duas denúncias:

NÚCLEO POLÍTICO

DENÚNCIA RECEBIDA

 

OUTROS PARTICIPANTES

DENÚNCIA EMPRESARIAL
2019-02-11T09:09:44+00:00 10 fevereiro - 2019 - 22:40|Brasil, Paraná, Política|3 Comentários


3 Comentários

  1. Abaltasar Agraciano 11 de fevereiro de 2019 em 00:49 - Responder

    tem bastante primo aí hein

  2. Estadista da Silva 11 de fevereiro de 2019 em 07:52 - Responder

    Este cara e seus asseclas conseguiram uma proeza:além de ser o pior governo do paraná entre todos(desde a emancipação política), será o mais corrupto de todos os tempos(igual ao lula.Cretinos, safados

  3. Amanda Feitosa 11 de fevereiro de 2019 em 10:12 - Responder

    E os que foram caluniados, humilhados e indevidamente colocados como corruptos. Quem vai limpar o nome deles? Como fica a vida dessas pessoas? Infelizmente, acabaram com a vida de algumas pessoas e tudo fica por isso mesmo. Que esses 33 sejam julgados e que as verdadeiras culpas sejam apontadas. E os que foram caluniados infelizmente para o MP eram apenas “ danos colaterais”.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta