Bolsonaro dá prazo para PF concluir investigação da facada

Numa fala de pouco mais de um minuto gravada no Hospital Albert Einstein, onde está internado desde o dia 27 de janeiro, o presidente Jair Bolsonaro fez um pedido e confessou uma esperança. O vídeo foi postado na tarde deste domingo (10) em suas redes sociais.

O pedido foi para que a Polícia Federal encerre logo as investigações sobre a facada de que foi vítima dia 6 de setembro, em Juiz de Fora. Até agora, passados quase seis meses, ainda não se sabe que o atentado foi obra de exclusiva iniciativa de Adélio Bispo (que continua preso) ou se ele agiu a mando de algum grupo. Bolsonaro frisou que Adélio foi filiado ao PSOL.

E a esperança que esboçou foi a de que, um dia, o atendimento do SUS seja tão bom quanto o que ele recebe no Albert Einstein, “um dos mais caros do país”. Mas prometeu: “tudo faremos para que isso se torne realidade”.

Boletim médico divulgado neste domingo (10) diz que o presidente começou redução gradativa da nutrição parental e que continua na dieta cremosa iniciada no sábado (9). Bolsonaro almoçou creme de mandioca com carne e gelatina de sobremesa.

2019-02-11T09:18:59+00:00 10 fevereiro - 2019 - 21:46|Brasil, Paraná, Política|2 Comentários


2 Comentários

  1. Eduardo Pereira 11 de fevereiro de 2019 em 07:29 - Responder

    Isso é notícia? O 01 foi no Inferno , bater um papo com o Capeta e ele o devolveu para a Terra.

    As perguntas que me faço são quando será que a campanha eleitoral de 2018 acabará e por que a de 2022 começou tão cedo?

  2. BENHUR ANTONIO BACEGA 11 de fevereiro de 2019 em 15:31 - Responder

    Publicação esdrúxula esta! Vai-se de “Bolsonaro dá prazo” para “…fez um pedido e confessou uma esperança..” Ora!, há muita diferença entre o enunciado e a notícia exposta. Cuidado!, pode parecer tendenciosidade do jornalismo, no estilo de alguns jornalões acostumados à indução.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta