Investigado pela PF, advogado de Londrina joga celular no vaso sanitário

A Polícia Federal encontrou um celular dentro de um vaso sanitário, ao cumprir um mandado de busca e apreensão em um endereço ligado ao advogado João Alberto Graça, em Londrina, nesta quinta-feira (13), na quinta fase da Operação Registro Espúrio. O advogado já havia sido preso temporariamente na primeira fase da operação, no fim do maio.

Segundo fontes da PF ouvidas pelo jornal O Estado de S. Paulo, o advogado disse a agentes que não estava com celular, depois que eles chegaram ao local onde se encontrava. A equipe de policiais, no entanto, encontrou o aparelho ‘dentro do vaso, debaixo d’água, como se houvesse sido dada a descarga’.

O aparelho é à prova d’água e poderá ser periciado.

Ex-delegado do Trabalho no Paraná e ex-assessor de ministros do Trabalho nos governos Lula e Dilma, João Graça era ligado ao PDT, ao falecido deputado José Janene (PP) e ao doleiro Alberto Youssef. 

O episódio em Londrina acontece pouco mais de seis meses da prisão temporária de João Alberto Graça na primeira fase da Operação Registro Espúrio, quando o foco dos investigadores eram fraudes nos processos de concessão de registros sindicais – o que já se refletiu em denúncia.

Nas duas últimas fases, cumpridas em setembro e nesta quinta-feira, 13, o foco é o desvio de dinheiro da Conta Especial Emprego e Salário (CEES) do Ministério do Trabalho, por meio de fraudes na restituição de valores das contribuições sindicais.

Graça é suspeito de ter atuado também neste segundo nicho de irregularidades.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui