Fontes próximas ao prefeito Rafael Greca dão conta de que o alcaide está preocupado com a repercussão negativa das denúncias relativas ao gasto de dinheiro da Prefeitura em almoços e jantares de luxo em restaurantes caros.

As denúncias apresentadas pelo vereador Professor Euler nesta semana trazem à tona as lembranças de um antigo caso que também envolve Greca.

Quando presidente da Cohapar do governo Requião, Greca também foi denunciado por gastança em restaurantes de luxo (Ille de France, Country Club, La Pasta Gialla, Karbonel Frutos do Mar e outros) no período de fevereiro de 2007 a abril de 2009.

Na época, o caso ficou conhecido como “farra do cartão corporativo”.

As justificativas apresentadas naquela para o excesso de gastos com refeições eram idênticas às de agora: as despesas se referiam a compromissos oficiais com a recepção de autoridades.

Diante das evidências, Greca fez um acordo com o Ministério Público do Paraná em 2009 e devolveu cerca de R$ 30 mil ao erário para não sofrer ação judicial por improbidade administrativa. Se aplicado o IPCA dos últimos dez anos (85%), o valor atualizado da indenização que pagou equivaleria hoje a R$ 55 mil.