O ministro Gilmar Mendes acaba de classificar de “gentalha” e de “cretinos” os membros da força-tarefa da Operação Lava Jato de Curitiba. Durante a sessão do STF nesta tarde (quinta, 14), que julga se crimes de lavagem e evasão devem ser processados na esfera da justiça eleitoral, Gilmar criticou também a a tentativa dos procuradores de criarem uma fundação com R$ 2,5 bilhões oriundos da corrupção na Petrobras.

“Isto é um projeto de poder”, disse o ministro, que disse acreditar que a fundação poderia ser instrumento para a ambição política do procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa.