Filho de Mourão foi promovido 8 vezes no BB

O novo assessor especial da presidência do Banco do Brasil Antônio Hamilton Rossell Mourão, filho do vice-presidente Hamilton Mourão, foi promovido oito vezes nos governos Lula e Dilma (2003-2016). As constantes ascensões internas de Antônio ao longo de 18 anos de Banco do Brasil contradizem a justificativa do vice-presidente de que ele havia sido preterido nas gestões petistas por ser seu filho e que, só agora, estava sendo valorizado. As informações são do site Congresso em Foco.

Na última terça-feira (8), Hamilton Mourão foi ao Twitter defender a promoção do filho, o que, segundo ele, ocorreu por mérito. “Meu filho, Antônio, ingressou por concurso no BB há 19 anos. Com excelentes serviços, conduta irrepreensível e por absoluta confiança pessoal do presidente do Banco do Brasil, foi escolhido por ele para a sua assessoria. Em governos anteriores, honestidade e competência não eram valorizados.”

O novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, endossou os elogios feitos pelo vice ao seu assessor e disse não entender por que Antônio Mourão não ocupava cargo de mais destaque no BB. “Mourão [o filho] é de minha absoluta confiança. Foi escolhido para minha assessoria e nela continuará, em função de sua competência. O que é de se estranhar é que não tenha, no passado, alcançado postos mais destacados no banco”, afirmou.

Veja a lista de promoções do filho do general:

1 – 21 de janeiro de 2003: passa de gerente de Expediente em Campo Novo (RS) para gerente de Contas II em Brasília, na Asa Sul;
2 – 5 de março de 2003: operador financeiro Jr., já fora de agência e na estrutura do banco;
3 – 9 de agosto de 2004: analista pleno na Diretoria de Agronegócio;
4 – 14 de maio de 2007: gerente negocial na Superintendência de Varejo do BB em Mato Grosso do Sul;
5 – 18 de junho de 2007: analista na mesma Superintendência em Mato Grosso do Sul;
6 – 21 de julho de 2008: de volta a Brasília, assume como analista sênior;
7 – 10 de dezembro de 2012: vira analista sênior na Gerência de Negócios;
8 – 28 de maio de 2013: promovido a analista empresarial na Gerência de Negócios.

2019-01-11T10:15:50-03:00 10 janeiro - 2019 - 17:56|Brasil, Paraná, Política|4 Comentários


4 Comentários

  1. Leitora 10 de janeiro de 2019 em 20:09 - Responder

    Eheheheh… Isso que e sofrer perseguição hein…aí quem dera o diretor me perseguisse assim.

    Ele é o fucinho do pai ne 🙂

  2. Aldo Vianna 10 de janeiro de 2019 em 20:38 - Responder

    Seja o que seja, prefiro gente da direita mandando do que quadrilheiros da esquerda fazendo o que sofridamente vimos ao longo destes últimos e tenebrosos 16 últimos anos.

  3. Parreiras Rodrigues 10 de janeiro de 2019 em 21:21 - Responder

    A assessoria de Imprensa do BB informa que foram três as promoções e não oito como disse a Gazetona.

  4. Leitora 11 de janeiro de 2019 em 11:29 - Responder

    Pois é, daqui um ano o povo um pouco mais proximo da consequência das escolhas vai ter que reconhecer que gestã pública eficiente passa pela escolha de boas cabeças. Não adianta, assim como na iniciativa privada, ficar promovendo o puxa saco, pois em geral ele não e bom de serviço, só ajuda o seu ego, e daí capaz de vc afundar a empresa.

    Uma pessoa que se queixa do banco do Brasil não faz ideia de quanto o banco carregou o agronegócio e seus competentes operadores, bcomo carregou também os corruptos.

    O banco fez muito pelo pais. Desde financiamento de casa que antes não fazia, ajudando especialmente a classe média, que precisa sim de ajuda, como financiou máquinas e equipamentos a doidado para o campo.

    Para quem não sabe o BB financiava a aquisição de veículos para ajudar a agricultura a se locomover e a entregar produtos na política pública chamada mais alimentos. Vc adquiria uma camionete com muita vantagem e levava seus pés de alface para o Ceasa.

    85% fez isso, se valeu do incentivo. Depois essas mesmas pessoas acreditaram que o PT roubou roubou e roubou e agora virão os salvadores para nós tirar da Lama.

    Resta informar a população que 15% do povo rural fraudou dados para adquirir estes veículos ” subsidiados” para obter um veículo barato e passar para o filho para passear na cidade, fazer racha, encher de cxs de som e ir incomodar nas festas de igreja do interior.

    Se os funcionários do BB iam auditar, ah esses petistas blá blá blá blá.entao nos temos também nesse país um povo de caráter nulo, que rouba do Público. Que acha que isso não é corrupção e fazer mau uso da coisa pública e merecido, pq ” todo mundo rouba”? ” O Estado merece” ? “Pq eu tambien tenho que me dar bem? ”

    Então caro leitor que acha que uma gestao de gente incompetente no BB vai torna-lo um banco honesto, recomendo estudar o cliente brasileiro

    E em algum momento caro leitor, vcs descobrirão que se tem algo que a esquerda valoriza é o bom profissional. Ele não precisa ser puxa saco, ele precisa ser bom. Todos favoreceram alguma pessoa, fizeram algo errado, mas a esquerda estuda muito mais e se preocupa em atender o povo, por convicções. Coisa que a direita conservadora não quer saber.

    Veja esse ministro da educação que tragédia, além de fazer cagada responsabiliza o pessoal do Temer. Ontem vi o Bóris faustF falando: mudança mudança mudanca

    Quem disse que temos que mudar tudo? Mudar tudo é desperdício de dinheiro público. Devia ajustar o que é gravemente danoso a gestão da coisa pública. Ponto. Mudar tudo é não saber nada.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta