A estranha (para nós, brasileiros) justiça inglesa

Como costumo fazer, consolidei os diversos textos e repasso:

Em 2003, um deputado inglês chamado Chris Huhne foi pego por um radar dirigindo em alta velocidade. Para não perder a carteira, pois na Inglaterra é feio uma autoridade infringir a lei, a mulher dele, Vicky Price, assumiu a culpa.

O tempo passou e o deputado passou a Ministro da Energia, só que o seu casamento acabou. Vicky Price decidiu vingar-se do ex-marido e contou a história à imprensa.

Como isso foi na Inglaterra, Chris Huhne, Ministro, demitiu-se primeiro do ministério e depois do Parlamento.

ACABOU A HISTORIA?

Como dissemos, isso foi na Inglaterra e na Inglaterra é crime mentir à Justiça. Assim, essa mesma Justiça funcionou e quando o caso veio à tona os ex-casados foram sentenciados a 8 meses de cadeia para cada um e uma multa de 120 mil libras.

Segredo de Justiça? Nem pensar, julgamento aberto ao público e à imprensa. Quem quis, viu e ouviu.

Segurança nacional? Nem pensar, infrator é infrator.

Privilégio porque é político? Nada!

E o que disse o Primeiro Ministro David Cameron quando soube da condenação do seu ex-ministro?
“É uma conspiração da mídia para denegrir a imagem do meu governo” ou “é um atentado contra o meu bom nome e dos meus Ministros”?

Errado. Esqueçam, nada disso! O que ele disse foi sobre o funcionamento da Justiça:
– “É bom que todos saibam que ninguém, por maior e poderoso que seja, está fora do braço da Lei.

Estes ingleses monárquicos são mesmo um bando de atrasados, não são?

www.etudoacabouemsfiha.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

%d blogueiros gostam disto: