Senado aprova aumento de salários para governo Bolsonaro pagar

Por 41 votos a favor e 16 contra, com uma abstenção, o Senado aprovou em votação relâmpago em plenário nesta quarta-feira (7) o projeto de lei que reajusta para R$ 39.200,00 os subsídios de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e de Procurador-Geral da República (PGR) – salário-teto para todo o funcionalismo brasileiro.

Segundo estimativa da Consultoria de Orçamentos e Controle do Senado, formalizada em nota técnica divulgada nesta quarta-feira (7), o impacto do aumento será de pelo menos R$ 5,3 bilhões anuais no orçamento da União, levando-se em conta o “efeito cascata”.

Trata-se do Projeto de Lei da Câmara 28/2016, que agora segue para sanção presidencial prevê reajuste de 16,38% nos salários, que passarão de R$ 33,7 para R$ 39,2. O efeito cascata terá desdobramentos na remuneração de outros órgãos da administração pública federal e estaduais.

2018-11-08T08:11:03+00:00 07 novembro - 2018 - 20:37|Brasil, Paraná, Política|5 Comentários


5 Comentários

  1. Parreiras Rodrigues 7 de novembro de 2018 em 21:39 - Responder

    Alguns ministros poderiam dispensar o aumento. E até todos os proventos. Quem está insinuando algo a ver com vendas de sentenças? Imagine? Os senadores a favor, nada de estranho. Trata-se da bancada do rabo preso.

    • Mauricio 7 de novembro de 2018 em 23:29 - Responder

      Perfeito. E o efeito cascata cai nos outros tetos. Desde o banestado.

  2. Renatinho 8 de novembro de 2018 em 10:02 - Responder

    Muito trabalho Bolsonaro, todos pensando no seu próprio umbigo.

  3. Eduardo Pereira 8 de novembro de 2018 em 10:24 - Responder

    Manchete errada de novo. . O Congresso , comprou sua “proteção” junto ao Judiciário. A machete correta é: “Senado aprova aumento de salário para você, eleitor trouxa pagar”

  4. Ricardo R 8 de novembro de 2018 em 11:03 - Responder

    “…para Bolsonaro pagar…” Como assim? Quem paga tudo são os contribuintes, o presidente não tira nada do próprio bolso.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta