O Ministro da Justiça, Sérgio Moro, enviou à Câmara documento reconhecendo o papel dos radares para colaborar na redução de acidentes e violência nas estradas brasileiras. O relatório foi produzido pela Polícia Rodoviária Federal e remetido pelo ministro para o deputado Ivan Valente (Psol-SP) em resposta a um pedido de informações do parlamentar por meio de requerimento dirigido ao ministro visando a  esclarecer declarações do presidente Jair Bolsonaro a favor da retirada de radares das rodovias do país.

As informações são do jornal O Globo deste domingo (26). O documento não só defende os radares, como propõe um sistema mais rigoroso de acompanhamento das estradas, o monitoramento eletrônico.

Na resposta encaminhada por Moro ao deputado, consta também planilha atestando a redução de acidentes e mortes nas rodovias federais entre 2014 e 2018. De acordo com os dados da PRF, o número total de acidentes caiu 59%. Foram 169,2 mil em 2014 contra 69,2 mil registrados em 2018. As mortes foram reduzidas em 36% no mesmo período, caindo de 8.234 para 5.269.

“O controle e fiscalização de velocidade tem potencial para colaborar com a redução da violência no trânsito, contudo não é a única solução, de modo que é extremamente pertinente o debate para o aprimoramento do processo do emprego de radares, lombadas eletrônicas e outros”, diz a PRF no relatório.

O caso teve início no começo de abril, quando Bolsonaro anunciou pelas redes sociais que tinha determinado a suspensão da instalação de 8.015 radares em rodovias federais administradas pelo Departamento Nacional de Infraestrutura Rodoviária (DNIT). “Sabemos que a grande maioria destes têm o único intuito de retomo financeiro ao estado”, publicou Bolsonaro no Twitter.  A decisão, entanto, foi revertida pela Justiça Federal no Distrito Federal, que atendeu uma ação popular e determinou que os radares fossem mantidos.