Caputo repudia proposta de privatização de unidades básicas de saúde

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

O deputado estadual Michele Caputo (PSDB) repudiou nesta quarta-feira (28) a proposta do governo federal, contida no decreto 10.530, que na prática privatiza as unidades básicas de saúde no Brasil. “Sou deputado da saúde, fui gestor e sou um profissional que milita nessa área há quase 40 anos. E o que o presidente (Jair) Bolsonaro fez ontem é extremamente perigoso”, disse.

O decreto 10.530, atenta o deputado, passa ao Ministério da Economia a criação de uma política de investimentos para construir, modernizar e operar as unidades básicas de saúde. “No Paraná, mostramos que é possível estruturar as unidades de saúde, com repasses, equipamentos, reformas, ampliação e capacitação de profissionais que trabalham nestas unidades”.

“Me assusta a possibilidade do Ministério da Economia trabalhar a privatização da operação e gestão das unidades de saúde. A parceria com a iniciativa privada dentro das regras do SUS é necessária, em muitos lugares funciona quando se trata de consultas especializadas, da atenção hospitalar, numa série de questão de maior complexidade”.

Privatização – Michele Caputo classifica como inadmissível “querer privatizar a atenção primária, a atenção básica de saúde, com a operação e gestão”. Mesmo porque o Ministério da Saúde, diz ele, tem programa específico para construção e reforma de unidades básicas de saúde. “Eu não posso ficar quieto com relação à essa questão, não passa nenhum pouco pela questão ideológica, é algo que não se sustenta, é algo que não pode acontecer, é algo que com certeza absoluta tem a unanimidade, tem o repúdio total do movimento de saúde, do povo da saúde”.

“Não tem como concordar com o decreto 10.530 da União que abre a possibilidade da operação pela iniciativa privada de unidades básicas de saúde”, completa Michele Caputo.

1 comentário em “Caputo repudia proposta de privatização de unidades básicas de saúde”

  1. Esses que reclamam são os que tem plano de saúde e são atendidos no Sírio Libanês, no Einstem e outros …. nojo dessa corja… qualquer coisa para beneficiar os mais pobres eles repudiam… são do grupo do Beto tico tico

Deixe uma resposta