Senador acusa governo de falhar na defesa de mãe brasileira vítima da justiça francesa

O senador Alvaro Dias defendeu que o Brasil aprimore os critérios para aplicação da Convenção de Haia de 1980 — Sequestro Internacional de Crianças. Ao ocupar a tribuna nesta quinta-feira (14), ele relatou o drama da psicóloga e professora universitária curitibana Valéria Ghisi, vítima de uma decisão da justiça da França que transferiu para o pai – cidadão francês residente em Paris -, a guarda da filha de seis anos.

Alvaro acusou a Advocacia Geral da União (AGU) de falhar na defesa de Valéria, que voltou para o Brasil em 2016 após ser vítima de violência doméstica registrada na polícia parisiense. Decisões da justiça francesa que obrigaram a entrega da garota ao pai foram obedecidas pelas autoridades brasileiras sem questionamento, incluindo a condução coercitiva de Valéria, cumprida pela Polícia Federal, para o embarque de mãe e filha em voo de Curitiba para Paris em novembro de 2016.

Em agosto passado, o Tribunal Regional Federal (TRF4) reverteu decisão anterior e determinou o repatriamento da criança, medida até agora não cumprida em razão da leniência do governo brasileiro. Além de Alvaro Dias, os outros dois senadores paranaenses (Flávio Arns e Oriovisto Guimarães) mantiveram audiência conjunta com o ministro Sergio Moro há 45 dias, mas ainda não obtiveram resposta.

2019-03-15T17:32:19-03:00 15 março - 2019 - 17:08|Brasil, Paraná, Política|2 Comentários


2 Comentários

  1. Leitora 15 de março de 2019 em 21:57 - Responder

    Pois e moro, além de outras coisas em Brasília, justiça parece fazer parte e sentido no ministério que o senhor trabalha, não?

    Ou está ocupado demais para ajudar a mãe de família sem justiça?

  2. Xhyko 17 de março de 2019 em 10:58 - Responder

    O Álvaro vai pedir una CPI para tanto

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta