Promovido agora, filho de Mourão era perseguido no Banco do Brasil

Um dia depois da posse de Rubem Novaes como novo presidente do Banco do Brasil, o filho do general Hamilton Mourão foi promovido na carreira do banco, onde é funcionário de carreira há 18 anos. Antonio Hamilton Rossell Mourão foi nomeado para o cargo de assessor especial da presidência do BB e seu salário, que era de R$ 12 mil mensais, passa a partir de agora para R$ 36 mil, três vezes maior.

O rigoroso pai não estranhou a promoção do filho: “Foi por mérito”, disse o vice-presidente ao Estadão. “Além disso, ele foi muito perseguido anteriormente por ser meu filho”, explicou o vice-presidente.

Mourão (filho) trabalhava há 11 anos como assessor empresarial de agronegócios do Banco – período que abrange o tempo em que o ex-senador paranaense Osmar Dias foi vice-presidente de Agronegócio e Micro e Pequenas Empresas, de 2011 a 2016. O general não especificou quem “perseguia” nem quem era o chefe imediato do filho na grande área de agronegócios do BB.

2019-01-08T17:10:12+00:00 08 janeiro - 2019 - 16:42|Brasil, Paraná, Política|4 Comentários


4 Comentários

  1. Leonel 8 de janeiro de 2019 em 18:35 - Responder

    Só 36mil? O cara é competente e merecia até mais!!!!

  2. Eduardo Pereira 8 de janeiro de 2019 em 18:43 - Responder

    Meritocracia 2.0 Em 4 anos o bancário vai ganhar R$ 1.728.000,00 fora os penduricalhos.

    Assessor ha 11 anos? E perseguido? Filho de general? DUVIDO..

    Sou aposentado do BB e eu posso dizer direitinho o que é ser perseguido pois eu fui em todos os governos,inclusive os do PT.

    Deve ser mais um caso de funcionário com desempenho baixo que foi avaliado de acordo pelo superior.

    O cargo anterior é de indicação em que o conhecimento de quem indica vale mais que qualquer coisa.

    Nada como um parente pra resolver os probvlemas dos filhos, né.

  3. roberto 9 de janeiro de 2019 em 08:48 - Responder

    Porque só comentam a nomeação dele e não a dos outros 2 assessores: COMUNICAÇÂO (um jornalista) e JURIDICO (um advogado). Foram 3 nomeados e a imprensa parcial SÓ comenta 1, esquece o jornalista esquece o advogado. PQP, não dá pra informar tudo, a noticia completa, porque comentar apenas 1 nomeação. Aliás, o nomeado era concursado? Já trabalhava no BB? Este cargo já existia ou foi criado só para ele? O nomeado tem habilitação legal para o cargo? O curriculo do nomeado é bom? E daí que o pai dele se elegeu…a culpa da eleição não é do concursado, ele tava lá antes do pai….O que a imprensa esperava do Novaes? Que o presidente do BB nomeasse o José Dirceu? Que piada, que visão medíocre da informação PARCIAL..e pior são os leitores que ainda dão crédito para este tipo de informação. Quem são os outros 2 assessores??????????????? Porque não informam???????????????

  4. dinarte 9 de janeiro de 2019 em 20:10 - Responder

    O novo governo precisou de poucos dias para envelhecer… Como diziam os romanos antigos, “à mulher de Cesar não basta ser honesta, tem que parecer honesta”. Se houver dúvidas, que não se faça… Em resumo: petistas, bolsonaristas e toda essa caterva política são todos iguais…

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta