Projeto livra viatura policial de entrar na fila do pedágio

Imagine que assaltantes armados tenham invadido sua casa. Desesperado, você liga para uma central policial para pedir socorro. Diante da demora no atendimento, você liga outra vez e descobre que a viatura está retida numa enorme fila de veículos na praça de pedágio.

Situações assim não são imaginárias. Elas ocorrem com frequência indesejável por um motivo simples: apesar de não precisarem pagar a tarifa de pedágio, as viaturas não têm permissão de atravessar livremente as cancelas. São obrigadas a entrar na fila e só quando chegam ao guichê é que o operador libera a passagem – quando, talvez, o atendimento que você solicitou já tenha se tornado inútil.

Não são apenas viaturas policiais (Civil e Militar) que enfrentam este problema. Também as do Corpo de Bombeiros e da Polícia Científicas, caracterizadas ou não, não podem desobedecer a obrigação de enfrentar a fila enquanto as chamadas urgentes não são atendidas. Ambulâncias também sofrem a restrição.

O deputado Delegado Jacovós quer resolver este problema. Ele apresentou o projeto que obriga os governos a implantarem chips ou outros dispositivos eletrônicos que permitam às viaturas se utilizarem do sistema “Sem Parar” instalado nas praças de pedágio. O projeto vai entrar na pauta da pauta da Assembleia Legislativa na semana que vem.

2019-03-14T17:12:40-03:00 14 março - 2019 - 14:41|Brasil, Paraná, Política|3 Comentários


3 Comentários

  1. luiz 14 de março de 2019 em 19:22 - Responder

    Acho que isso não estava escrito no contrato original, talvez não esteja ainda, acho bom verificar se mudou e porque mudou. Lembro que o Estado só teria que passar a lista dos veículos da frota e a passagem seria exclusiva e rápida.

  2. […] Fonte: Contra Ponto […]

  3. Pedro Malasartis 15 de março de 2019 em 23:44 - Responder

    Matéria ridícula e infundada. Há décadas, nenhuma viatura policial, além de ambulâncias e carros oficiais, entre outros passam pelas cabines normais em pedágios nas rodovias brasileiras. Eles NÃO ficam em filas.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta