Presidentes em apuros apelam para o povo. E o povo responde mal

Governantes em apuros, malquistos pela opinião pública, costumam perder a noção da realidade e fazem apelos patéticos à população. Mas a resposta que conseguem obter costuma vir exatamente em sentido contrário. Agora, por exemplo, o presidente Temer pede ao militantes do MDB que saiam às ruas para defender o legado do seu governo. “Nós temos o que dizer e peço que vão às ruas sustentar o nosso governo pelo que fizemos pelo país”, disse num discurso no interior de São Paulo.

Temer falou sobre avanços na economia, disse ter promovido crescimento de postos de trabalho com carteiras assinadas e  ressaltou a perspectiva de o Produto Interno Bruto (PIB) ficar em torno de 2,5% e 3%. De acordo com ele, no plano federal, seu partido está reconstruindo a economia do país. “Tudo o que o MDB faz é a base da reconstrução”, acrescentou.

Temer é recordista em rejeição popular na série histórica da pesquisa CNI/Ibope (iniciada em março de 1986). Desde que o Ibope começou a série histórica de pesquisas, José Sarney, até então, tinha a pior aprovação, com 7%, em 1989. Temer chegou a 3%.

O apelo de Temer faz lembrar os pedidos do então presidente Fernando Collor de Mello em 1992 quando milhares de manifestantes saíram as ruas do Brasil vestidos de preto.

Dias antes, o presidente havia pedido para as pessoas vestirem verde e amarelo em apoio ao seu governo. O preto, que tomou as ruas, foi a primeira manifestação pró-impeachment de Collor.

2018-05-07T08:21:09+00:00 06 maio - 2018 - 15:25|Brasil, Do baú, Paraná, Política|0 Comentários


Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta