O sofrimento como passaporte para o reconhecimento

(por Ruth Bolognese) – É surpreendente, pela corajosa exposição pública, o relato da ministra da Família, Damares Alves, sobre os estupros que sofreu na infância, num quarto ao lado dos pais e por dois pastores. E oportuno, diante do escandaloso caso do médium mais famoso do Brasil, João de Deus.

Ao relatar os abusos, a ministra coloca o dedo na própria ferida e dá exemplo de força e coragem a outras mulheres na mesma situação. Merece todo apoio e solidariedade do País inteiro.

Mas o sofrimento passado, e suas sequelas no presente, não devem ser usados como passaporte para o trabalho dela como funcionária pública de primeiro escalão do Governo. E nem justifica as bobagens que vem falando – “vamos chamar meninas de princesas e meninos de príncipe”. Ou sugerir uma espécie de “bolsa-aborto” para grávidas pobres, ou que sofreram violência sexual, se decidirem prosseguir com a gravidez indesejada.

A pré-ministra Damares Alves percorre um caminho delicado ao expor a violência que sofreu na infância como pano de fundo de sua atuação ministerial.

4 COMENTÁRIOS

  1. Intolerância!!! Ninguém se preocupa em punir os estupradores… Uma sociedade insensível, impulsionada por blogs e jornalistas mais preocupados com o viés ideológico do que com a dura realidade.

  2. Com todo o respeito, me reservo o direito de não acreditar em nada que esta Sra diz. Inclusive ter visto Jesus no pau de goiaba. e agora este estupro convenientemente lembrado.

    Para mim Isso tem , mais de mitomania que verdade.

    Acredito piamente que quem passa de verdade por uma experiencia desta , melhora enquanto ser humano pois e preciso muita força pra superar isso.

    Não me parece o caso da Ministra, que faz da mentira, como o tal do Kit Gay, que so existiu na cabeça dela, uma profissão de fé.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui