O governo Ratinho Jr na geração Google

(por Ruth Bolognese) – A escolha por um jovem de Minas Gerais, expert em informática e fabricante de equipamentos eletrônicos de segurança e de comunicação, Renato Feder, para comandar a secretaria de Educação do Paraná é o primeiro sinal da opção de Ratinho Jr por fazer um governo com jeito e modo que se encaixa na chamada geração “Google”. É a cara dele.

Renato Feder já era o nome para a educação desde a campanha eleitoral, o que fez Ratinho Jr recusar uma sugestão de nome trazida por ninguém menos do que um dos fundadores do grupo Positivo e então candidato ao Senado, Oriovisto Guimarães. O grupo Positivo, como se sabe, é um dos maiores cases de sucesso na área da educação privada do País.

A escolha de Feder com tanta antecedência fez com que Ratinho Jr sequer consultasse empresários da área de educação e os sindicatos da categoria patronal, como é uma tradição no Paraná.

A última nomeação para a secretaria de Educação de um nome de fora do Paraná foi no governo Lerner, quando assumiu Alcyone Saliba, com bom currículo e até experiência na ONU. Três anos e meio depois, foi demitida pelo governador pelo desgaste no relacionamento com os professores da rede estadual de ensino.

2018-11-08T14:29:23+00:00 08 novembro - 2018 - 13:15|Brasil, Paraná, Política|4 Comentários


4 Comentários

  1. Pijaminha de âncora 8 de novembro de 2018 em 15:32 - Responder

    Começou a pagar a campanha…..
    mais um xavier na educação

  2. Amanda Feitosa 8 de novembro de 2018 em 16:21 - Responder

    Pijaminha de âncora com certeza!

  3. Jose 8 de novembro de 2018 em 23:37 - Responder

    Ha um silencio nas escolas publicas. O Rato ja mostrou a que virá. Que se cuidem os profes pois o roedor podera compor com o tico tico e com o Sr. Cidades um triunvirato. Logo logo mais um 30 de agosto e ou um 29 de abril.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta