O esvaziamento de Ratinho

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

Como ambas as partes não aceitavam fazer campanhas conjuntas, já que pertencem ao mesmo expectro político-governista no Paraná, o candidato Ratinho Jr. (PSD) acabará sendo o mais prejudicado dos candidatos ao governo do estado. O ministro Ricardo Barros já decidiu que não permanecerão nas estruturas do governo todas os indicados do seu grupo político.

Ocupou a secretaria e de Desenvolvimento Urbano por três anos, período em que se dedicou a nomear os seus para ocuparem postos estratégicos no governo Cida – isto é, tinha esperança de que em quase todos os municípios permaneceriam nomeadas as mesma pessoas que dele indicou para ocupar postos estratégicos da capital e no interior – um enorme exército que, ainda com a caneta mão, poder-lhe-ia ser útil durante a campanha como cabos-eleitorais.

Ricardo Barros e Cida acabaram com essa alegria. Não ficará pedra sobre pedra. Todos serão exonerados e substituídos por gente da escolha do casal tão logo ela assuma o Palácio Iuguçu em 8 de abril. Dependendo do “estrago” feito na estrutura que montou ao longo dos três anos em que ocupou a secretaria, Ratinho poderá concluir que enfrentará grandes dificuldades para levar à frente sua candidatura o governo estado tendo de enfrentar a própria Cida (que estará com a caneta cheia), a avassaladora disposição de Ricardo Barros pra atrair os grandes partidos e de “roubar” de Ratinho a multidão de prefeitos que ele achava ter conquistado. Sem contar que não lhe será fácil competir (num debate, por exemplo) com Osmar Dias.

Vai observar o cenário por mais algumas semanas, e, se for o caso, mudar de planos: preferirá a reeleição à Assembleia com votação recorde e transformar-se no seu próximo presidente. Pode também buscar agasalho tanto com Beto Richa quanto Osmar Dias para se lançar candidato a senador numa das duas chapas.

Deixe uma resposta