Ministra da Agricultura visita Show Rural

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, elogiou o trabalho da Itaipu Binacional voltado ao desenvolvimento territorial, na tarde desta sexta-feira (8), no estande da empresa no Show Rural Coopavel 2019, em Cascavel. “A gente vê essa empresa com muito orgulho, pois sabemos como ela faz a diferença na região. O que seria do Paraná, do Paraguai, do Mato Grosso do Sul, se não houvesse a Itaipu?”, questionou a ministra.

A declaração foi feita durante o lançamento do livro “O Mistério do Ribeirão Vermelho”, de Wilham Santin, que aborda os temas da conservação de solos e do plantio direto com foco no público infantil. A obra foi idealizada e organizada pelos filhos de Herbert Bartz, pioneiro do sistema de plantio direto na América Latina.

Além da ministra, do autor do livro e do próprio Herbert Bartz, participaram do evento o vice-governador do Paraná, Darci Piana e o diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, Marcos Stamm, além do diretor-superintendente do Parque Tecnológico Itaipu, Jorge Callado, entre outras autoridades.

Tereza Cristina também destacou a iniciativa de Herbert Bartz, que introduziu o plantio direto na palha no início da década de 70, no interior do Paraná. “O senhor foi um visionário, e temos muito a lhe agradecer”, disse a ministra.

Atualmente, 62% das terras cultivadas no Brasil utilizam a técnica do plantio direto, que permite uma agricultura mais sustentável e mais resiliente, equilibrada e menos dependente das intempéries ambientais.

“Gerar energia e cuidar do meio ambiente são as duas atividades mais importantes para a Itaipu”, disse o diretor Marcos Stamm. “É por isso que investimos em boas ideias, como a do plantio na palha. A integração da usina com a área onde está inserida é fundamental”, completou.

2019-02-11T08:39:24+00:00 08 fevereiro - 2019 - 16:00|Brasil, Paraná, Política|0 Comentários


Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta