Justiça torna réus operador financeiro e seu advogado por lavagem de dinheiro na Europa

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Foi recebida pela Justiça Federal no Paraná denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF) contra João Augusto Rezende Henriques, apontado pela Lava Jato como operador financeiro do MDB, e de seu davogado José Cláudio Marques de Barbosa Júnior pelo crime de lavagem de dinheiro transnacional. Além da condenação, o MPF solicita o bloqueio e perdimento de bens no valor de US$ 4.260.000,00 que, no câmbio corrente, equivale ao montante de R$ 23.430.000,00 e corresponde ao valor total movimentado ilegalmente pelos denunciados. O recebimento da denúncia ocorreu em 3 de novembro.

A denúncia refere-se à lavagem de dinheiro transnacional envolvendo o repasse de valores de origem ilícita por Henriques, por meio da offshore Acona International Investiments LTDA, da Suíça, para seu advogado Barboza Júnior, utilizando transferências realizadas em conta no Banco Sberbank Moscow, na Rússia, esvaziada poucos dias depois das operações bancárias. A investigação concluiu que o contrato de advocacia firmado entre os denunciados foi celebrado de maneira simulada, com o único intuito de criar justificativa aparentemente lícita para maquiar a origem do dinheiro. De acordo com a denúncia, Henriques representava os interesses do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) no grande esquema de corrupção envolvendo a Petrobras.

O crime ocorreu em agosto de 2014, logo após o início das delações premiadas de diretores da Petrobras no caso Lava Jato, demonstrando que Henriques pretendia ocultar e dissimular os valores mantidos por ele no exterior, dificultar possíveis investigações e impedir que tal dinheiro fosse recuperado pelas autoridades brasileiras.

João Augusto Rezende Henriques já foi condenado pela 13ª Vara Federal de Curitiba (PR) nas ações penais nº 5039475-50.2015.4.04.7000 e 5027685-35.2016.4.04.7000, bem como responde aos autos de Ação Penal nº 5012091-78.2016.4.04.7000. (Do MPF-PR).

 

Deixe uma resposta