As investigações da Polícia Federal que apuram a suspeita de que o deputado federal paranaense Sergio de Souza (MDB) recebeu propinas para proteger grupo que fraudava fundos de pensão, atingem também o ex-diretor-geral de Itaipu, Marcos Stamm. Seus endereços foram alvo de buscas e apreensão e seu nome foi incluído entre os pedidos da Polícia Federal para prisão temporária. O ministro do STF, Celso de Mello, negou.

A PF deflagrou nesta manhã de segunda-feira (21) a Operação Grand Bazaar, que teve como alvo principal o parlamentar paranaense, citado pelo delator Lucio Funaro como beneficiário de repasses feitos pelos presidentes dos fundos Postalis e Petros para que não fossem convocados pela CPI dos Fundos de Pensão. À época (2016-2017) Souza era o relator da comissão.

Outros envolvidos são os seguintes: Arthur Mario Pinheiro Machado, Wagner Pinheiro de Oliveira, Antônio Carlos Conquista, Milton de Oliveira Lyra Filho, Alexandre Siqueira Monteiro, Marcos Joaquim Gonçalves Alves, Luciano Tadau Yamaguti Sato e Patrícia Bittencourt de Almeida Iriarte.

Marcos Stamm esclarece que está colaborando totalmente com as autoridades, tendo prestado depoimento na condição de testemunha, para que a verdade seja restabelecida, reiterando sua confiança na Justiça.