Se fosse hoje seria a “Nota Paraná”, mas há 60 anos o nome da campanha que incentivava os consumidores a pedirem nota fiscal era “Seu talão vale 1 milhão”. Moysés Lupion era o governador do Estado e Iberê de Matos, o prefeito de Curitiba. Disposto a concorrer  ao prêmio de um milhão de cruzeiros ( o dinheiro da época), o subtenente da Polícia Militar do Paraná Antônio Haroldo Tavares pediu uma nota fiscal ao comprar um pente por 15 cruzeiros no Bazar Centenário, do comerciante sírio-libanês Ahmad Najar, na Praça Tiradentes, no Centro de Curitiba. Era 8 de dezembro de 1959, uma terça-feira. Fim de tarde.

Nem o militar, que oficialmente invocou o seu direito de contribuinte, nem o comerciante. que se recusou a emitir a nota, poderiam imaginar o que aconteceria em seguida. Os dois discutiram. Antonio argumentou que pedir a nota não era apenas uma questão de dinheiro, mas sim de princípios. O comerciante alegou que a legislação dispensava a emissão de nota fiscal de valor irrisório. Estava criada a encrenca.

Seguiu-se uma briga no interior da loja, com socos e pontapés para todos os lados. Foi quando o comerciante decidiu botar o comprador para fora do bazar.  Para isso, contou com a ajuda de quatro empregados. Jogado na calçada, o subtenente teve uma perna fraturada. Diz a lenda que, na confusão, o pente quebrou.

Três dezenas de pessoas viram a cena e tomaram o partido do militar. Não deu outra: em poucos minutos o Bazar Centenário foi praticamente destruído e  o estoque jogado na calçada. A revolta se espalhou para a praça e ruas próximas. As 30 pessoas rapidamente viraram 200. A Praça Tiradentes tinha virado um palco de guerra – a famosa Guerra do Pente.

Enquanto lojas eram saqueadas, queimadas e destruídas, o comerciante foi conduzido a uma delegacia de polícia; o militar, levado a um hospital.

O número de revoltosos aumentou com a chegada das pessoas que saiam do trabalho. A polícia cercou a praça, mas confusão continuou noite a dentro. Um balanço no início da madrugada do dia 9 contabilizou 30 presos e dez feridos, oito dos quais eram policiais. Ou guarda civis, como se dizia naquele tempo. Não houve trégua.

A guerra continuou no dia 9. O quebra-quebra generalizou-se, contando agora com as pessoas que vinham dos bairros para o centro. O povo não se intimidou. Nem mesmo os tiros disparados para o alto pelo comerciante Salim Mattar, dono da Casa Três Irmãos, foram capazes de assustar os revoltosos. Embora tanques do Exército tivesse ocupado a Praça Tiradentes, os distúrbios continuaram. Os ânimos estavam exaltados. O comércio e os comerciantes, principalmente os de origem estrangeira, eram alvo dos chamados “desordeiros”, segundo a polícia.

Apesar do reforço policial, do Corpo de Bombeiros e das tropas do Exército, no dia 10 de dezembro ainda foram registrados ataques a lojas e bancas de jornais e revistas. O centro de Curitiba foi isolado pelas autoridades e antes mesmo de um possível toque de recolher, marcado para as 20 horas, a revolta parou. Até porque, no fim daquele dia, uma garoinha, típica de Curitiba, encobriu a cidade.

No total, mais de 120 lojas foram depredadas – algumas inteiramente destruídas – em vários pontos do centro. Prédios públicos também foram atacados. Cerca de 30 mil pessoas foram às ruas participar da “guerra”.

Por alguns dias, pelotões de soldados tomaram conta do centro. Os bares foram obrigados a fechar às 20 horas. A Rádio-Patrulha aumentou as rondas pelas ruas e praças centrais.

A revista semanal O Cruzeiro, dona da maior circulação no Brasil naqueles tempos, publicou ampla reportagem sobre a guerra. E o título não poderia ter sido mais sugestivo: “Pente faz Curitiba perder a cabeça”