O senador Alvaro Dias (Podemos) começa a enfrentar dificuldades para manter o discurso de sua campanha presidencial. A denúncia de que teria recebido R$ 5 milhões para ajudar a enterrar a CPI que investigava o bicheiro Carlos Cachoeira está sendo investigada pela Polícia Federal (inquérito 186/2016) a partir de delações e trocas de e-mails entre operadores responsáveis pelas transferências de numerários ilícitos.

As informações são da coluna Radar, da revista Veja, na manhã deste sábado (10).

Alvaro vinha centrando sua campanha sob o argumento de que seria o único dos candidatos sobre o qual não pesava nenhuma suspeita ou inquérito por corrupção, além de deter experiência administrativa bem-sucedida como governador do Paraná no fim da década de 1980 e parlamentar, como senador de vários mandatos.

À denúncia do suposto envolvimento de senador no episódio Cachoeira somam-se outras também contra seu suplente no Senado, o empreiteiro Joel Malucelli, contra quem se revelaram nesta sexta-feira (9) acusações de ter liberado propinas para ter participação na construção da hidrelétrica de Belo Monte. O embaraço se torna maior em razão de Malucelli ser presidente estadual do Podemos no Paraná.

Alvaro Dias não se pronunciou sobre as denúncias até o início da tarde deste sábado (10).

A nota da Veja você encontra no link abaixo: