Critérios de escolhas médicas no caso da exaustão de recursos

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

Por Claudio Henrique de Castro – No Brasil não há norma que estabeleça os critérios de escolha de pacientes, nahipótese da carência de aparelhos de respiração mecânica ou a falta de leitos de UTI.

Em resumo, pode haver a necessidade clínica real em face da insuficiência de disponibilidade de recursos intensivos, diante das medidas de afrouxamentodo isolamento social ou pela ausência de ações dos gestores públicos.

Na Itália o Colégio Italiano de Anestesia, Analgesia, Ressuscitação e Cuidado Intensivo (SIAARTI), divulgou notas sobre a decisão eticamente fundada no caso de insuficiência respiratória em decorrência da COVID-19 (1 e 2).

Afirma o documento que: como uma extensão do princípio da proporcionalidade da assistência, a alocação em um contexto sérioa escassez de recursos de saúde deve ter como objetivo garantir tratamentos intensivospacientes com maiores chances de sucesso terapêutico: é, portanto, uma questão de privilegiar os que possuam “maioresexpectativa de vida”.

A necessidade de terapia intensiva deve, portanto, ser integrada a outros elementos de “adequação clínica” paracuidados intensivos, incluindo: tipo e gravidade da doença, presença de comorbidades,comprometimento de outros órgãos e sistemas e sua reversibilidade.Isso significa não necessariamente ter que seguir um critério de acesso à terapia intensivacomo “primeiro a chegar, primeiro a ser servido”.

São 15 (quinze) recomendações que se aplicam a todos os pacientes de UTI e não somente aos acometidos pela COVID-19.

Traduzindo: os pacientes com maior expectativa de vida precedem os com menor possibilidades de sobrevida, considerando inclusive as comorbidades, isto é, os fatores de risco que cada paciente possui.

Este cenário de medicina de catástrofe; salvar um é melhor que não salvar nenhum paciente (3).

Em Portugal, no final de março de 2020, a Associação Portuguesa de Bioética (APB) requereu critérios ao governo para se ocorrer a exaustão do sistema de saúde tenha as orientações de como proceder (4 e 5).

No Brasil não temos informações objetivas sobre quais os critérios bioéticos devem ser utilizados se o sistema de saúde entrar em colapso por falta de leitos em UTI oufalta de respiradores mecânicos.

A falta de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) é outro drama sanitário que abate a linha de frente do combate à pandemia. O profissional da saúde pode se recusar ao trabalho caso não receba o EPI para se proteger da contaminação pelo trabalho clínico? Esta é outra escolha profissional e ética que não está esclarecida devidamente.

Tais perguntas bioéticas devem ser respondidas pelo Poder Legislativo o mais rápido possível. A responsabilização pelo colapso dos serviços de saúde é do Poder Público, inclusive de eventual homicídio culposo, na forma omissiva.

Esta escolha dramática, no qual alguns cedem a outros, pela falta de leitos de UTI ou respiradores, já está ocorrendo em diversos países do mundo, mas não está sendo divulgada.

Fundamentalmente, devemos evitar que este tipo de escolha ocorra no Brasil, antecipando a estrutura hospitalar e a logística aos profissionais da saúde.

 

Referências

1 comentário em “Critérios de escolhas médicas no caso da exaustão de recursos”

  1. Vale lembrar que uma. Senhora, médica intensivista do hospital evangélico, foi apedrejada por fazer a escolha de quem vive, de quem morre e todos os func de uti sabem, existe a regra e mulheres e crianças primeiro, aquelas porque procriam é os pequenos, pelo mesmo motivo (vão crescer e multiplicar) e pq tem longa expectativa de vida.

    Os deficientes, vale lembrar, após os idosos, são os segundo da lista de escolha de quem vai morrer, tanto na italia quanto no Canadá

    Claro que quem tem idoso é deficiente na família, como eu, fica assombrado, mas cada um de nós já passou por uma entrevista com um psicólogo que te perguntou se vc freia o trem e mata diversos ou segue a frente e passa por cima do cara que prendeu o pé no trilho…

    Pois é… Do alto dos meus quarenta entendi que não era um dilema Ético, era apenas verificação se vc ia demitir, qua do fosse necessário… :)
    Nunca consegui demitir ninguém, sempre fui do tine que verifica os freios do trem, limpeza e placas de advertência nos trilhos e a correta alocação dos passageiros, visando pela precaução não fazer essa escolha, mas bem

    No Brasil não temos preparo de aparelhamento da saúde e não temos colaboração das pessoas, então é um. Caso que pessoas como eu não servem, na atual circunstância precisa de. Um maquinista que tique o trem por cima

    Ao menos se tivéssemos um presidente que falasse: sentem todos, verifiquem os freios, comprem mais trilhos, mais vagões, etc etc

    Quem fez economia sabe que o estado tem dinheiro e se não tem pode emprestar, mas esse Estado mínimo aí não quer salvar ninguém, nem. Quem está no vagão, nem quem está no trilho.

    Todos nós sabemos que tragédia vivemos desde 28/10 de 2018

Deixe uma resposta