Brasil pode ter pedágio sem cancela

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

O Senado Federal deverá votar na próxima semana um projeto de lei que institui novo modelo de cobrança do pedágio em rodovias. Chamado de free flow (fluxo livre, em inglês), o sistema dispensa cancelas e o usuário paga somente pelo trecho percorrido, como já ocorre em Portugal, Chile e Canadá, por exemplo. A votação estava prevista para essa quinta-feira (17), mas foi adiada.

Se o novo modelo for aprovado, é bem possível que os novos pedágios no Paraná, a partir de 2022, deverão utilizá-lo. O sistema é defendido pelo Ministério da Infraestrutura por considerá-lo mais justo para a cobrança de tarifas.

Com preços mais acessíveis, o Ministério da Infraestrutura também avalia que, no longo prazo, o free flow vai permitir que o governo conceda rodovias que hoje são inviáveis de se pedagiar. “É uma prioridade que temos de estabelecer. O modelo do free flow já é uma realidade em mais de 20 países. É um sistema moderno, mais justo”, disse o relator do projeto, o senador Jayme Campos (DEM-MT), cujo parecer já foi aprovado no fim do ano passado na Comissão de Serviços de Infraestrutura. Se for aprovado no plenário do Senado, o projeto ainda precisará do aval da Câmara.

O Ministério da Infraestrutura ainda avalia qual tecnologia vai adotar para a identificação dos veículos. Uma das opções é o uso das tags eletrônicas, que já são muito comuns em grandes centros em razão do sistema “sem parar”. Mas nada impede que outros sistemas sejam usados, até de forma conjunta, para tornar o reconhecimento mais eficaz. Além das tags, alguns países usam também utilizam a leitura de placa dos veículos.

Diferente do sistema atual, em que a cancela dificulta calotes, o free flow impõe desafios na cobrança das tarifas. A forma como o pagamento poderá ser feito pelos motoristas é outro ponto sob avaliação do governo, mas técnicos reconhecem que, por esse ângulo, o free flow traz mais riscos de inadimplência.

Segundo a Confederação Nacional do Transporte (CNT), que apoia o uso do free flow, o sistema atualmente já foi implantado em quatro rodovias do Estado de São Paulo, em fase de testes.  O governo tem intenção de testar o free flow em um trecho da nova concessão da Dutra, que liga São Paulo ao Rio de Janeiro. (Informações de O Estado de S. Paulo).

Deixe uma resposta