O Banco Central cumpriu a decisão proferida pelo na época ainda juiz da Operação Piloto – uma das fases da Lava Jato -, Sergio Moro, e bloqueou valores nas contas do empresário Jorge Atherino, tido pelo MP como operador financeiro da família Richa, e Deonílson Roldo, ex-chefe de gabinete do ex-governador Beto Richa.

A determinação era bloquear até R$ 50 milhões nas contas de cada um. Segundo os extratos encaminhados pelo Bacen, no entanto, não foi encontrado nenhum centavo nas contas de Atherino. Nas contas da sua esposa Flora floram bloqueados R$ 54 mil. Os maiores valores bloqueados foram nas contas de duas empresas de Atherino: R$ 107 mil e R$ 112 mil.

Nas contas de Roldo foram encontrados e bloqueados apenas R$ 15 mil.