O novo procurador-geral da República, Augusto Aras, ainda está avaliando que destino dará ao procurador Deltan Dallagnol, o polêmico chefe da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba. Segundo a jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, Aras tem dado sinais trocados a respeito – ora insinuando que o manteria na posição, ora indicando que pode transferi-lo para outra missão.

Pesa a favor de Dallagnol o prestígio de que desfruta entre procuradores e o apoio que ainda detém junto à opinião pública, apesar dos vazamentos de mensagens hackeadas do aplicativo Telegram e reveladas pelo site Intercept Brasil.

Por outro lado, Aras avalia conter os ímpetos da Lava Jato para restabelecer boas relações com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e outros setores do judiciário e políticos – críticos severos da atuação de Dallagnol à frente da operação.