Detran altera sistema de vistoria de veículos

Despachantes pedem explicações ao Detran: por que vistoria dos veículos passará a ser feita por outros agentes credenciados? E por que a tabela de preços máximos estabelecida pelo Detran vai ficar acima da usual? Por que impor aumento de despesa para os proprietários de veículos? Por que, em fim de governo, baixar a portaria que altera um sistema que sempre foi cumprido satisfatoriamente pelos despachantes?

O Detran explica: a portaria 70/18, que muda as regras para realização de vistoria de identificação em veículos, foi editada para obedecer resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). É uma das muitas resoluções baixadas desde 2013 que ainda não foram regulamentadas no estado.

Na questão da vistoria, apesar das queixas de quem está autorizado a fazer o serviço atualmente, o órgão explica que está se adaptando às normas da Resolução 466, editada pelo Contran em 2013 e que até hoje não havia sido cumprida no Estado.

O Contran fez valer as novas deliberações para minimizar a possibilidade de fraudes em vistorias realizadas dentro e fora dos Detrans, que não são poucas, e estabelece procedimentos necessários para validar o serviço.

Entre outras regras, o órgão nacional de trânsito exige a comprovação de capacidade técnica para a realização de vistorias de identificação veicular, e abre a possibilidade de credenciamento de novos fornecedores, além daqueles já habilitados, que também precisarão se adaptar às regras atuais.
Com relação à cobrança pela prestação dos serviços no Paraná, o Detran estabeleceu uma tabela única de preços: até R$ 100,00 para motos; até R$ 120,00 para carros; e até R$ 140,00 para veículos grandes. O órgão arrecadará R$ 19,34, como taxa de serviço. Hoje, conforme tabela publicada no site do Sindicato dos Despachantes do Estado do Paraná – Sindepar, o valor mínimo cobrado para vistorias realizadas por estes profissionais é de R$ 120,00.

Sobre os valores, o Detran explica que estabeleceu tetos de preços, que podem cair em razão da abertura da concorrência pelo serviço. O órgão também ressalta que está dentro da média nacional, citando que adotou os preços praticados por Santa Catarina, com a diferença de que lá a tabela é fixa. Em São Paulo, o serviço custa de R$ 99,00 até R$ 180,00 e no Rio de Janeiro o preço é único, R$ 139,30.

O Detran-PR acrescenta que também está regulamentando outras decisões do Contran, como a Resolução 611/16, que estabelece o credenciamento de empresas para marcação e controle de peças de desmontes, e a Resolução 729/18, que torna obrigatória a implantação do novo modelo de placas Mercosul.

2018-12-07T15:32:47+00:00 07 dezembro - 2018 - 11:24|Brasil, Paraná, Política|4 Comentários


4 Comentários

  1. Ademir Herculano 7 de dezembro de 2018 em 11:48 - Responder

    Hoje, conforme tabela publicada no site do Sindicato dos Despachantes do Estado do Paraná – Sindepar, o valor mínimo cobrado para vistorias realizadas por estes profissionais é de R$ 120,00. Sou despachante aqui em Curitiba-PR e esta informação não confere. Os despachantes não cobram para fazer a vistoria. Cobram honorário para fazer a transferência. O que é cobrado é TAXA DE VISTORIA – CÓDIGO 2.16.00-3 DO DETRAN/PR no valor de R$ 47,63. Deste valor o Despachante não fica com absolutamente nada. O Honorário que os despachantes cobram para processo de transferência variam entre R$ 120,00 x R$ 160,00. Más não cobram a vistoria. Espero ter me feito entender !!!!

  2. Guilherme Valério 7 de dezembro de 2018 em 11:57 - Responder

    Despachante não cobra NADA pra fazer vistoria. O único que arrecada é o DETRAN com uma taxa de R$47,63. Não publique matéria sem fundamento!!! Despachantes não cobram nada além dos honorários de serviços!!!

  3. Leodes Vicentin 7 de dezembro de 2018 em 14:59 - Responder

    As que mentira do DETRAN .Pr. 120 reais . cara de pau desse diretor não sabe de nada.
    Eles cobram 48.00 e não repassam nada para os despachantes. Fazemos os serviço de graça. Esse valor ainda foi nos roubado na calada da noite.

  4. Maria Flor Rosa 18 de dezembro de 2018 em 14:23 - Responder

    A noticia é falsa no que se refere a informação de que o valor MINIMO cobrado é de 120,00, quando o edital da Portaria publicada deixa claro que o valor cobrado deverá ser no MAXIMO de R$ 100,00 para Motociclos,
    R$ 120,00 para Veículos Leves e R$ 140,00 para Veículos Pesados.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta