Toffoli quer punir procurador da Lava Jato em Curitiba

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, interrompeu há pouco o andamento da sessão para anunciar que vai entrar com representação contra o procurador Diogo Castor, membro da força tarefa da Lava Jato em Curitiba.

Em artigo publicado semana passada, Castor acusou o Supremo de participar de um golpe contra Lava Jato caso julgue ser de competência da Justiça Eleitoral a destinação de dinheiro oriundo da corrupção como se fosse delito de caixa 2.

Segundo o procurador, uma decisão neste sentido decretaria o fim da Lava Jato.

Toffoli considerou o artigo de Diogo Castor uma ofensa às instituições judiciárias e que deve ser punido por difamação.

2019-03-14T08:58:48-03:00 13 março - 2019 - 15:57|Brasil, Paraná, Política|9 Comentários


9 Comentários

  1. Eduardo Pereira 13 de março de 2019 em 17:26 - Responder

    Parece que o sub Deltan colocou o chapéu muito alem do que podia pegar.

    Marotamente o ContraPonto não conta que o menino prodigio que conseguiu escrever um livro foi publicar no tal de Antagonista que nunca li mas tenho certeza que é pra fascistas.

    Acho que contava que o Dick Vigarista que é humilhado todo dia pelo Recruta Zero e o Pastor que não fala mais nada por que quer ser PGR, iam segurar o chute na canela que ele deu num cara que se puder vai ferrá-lo pra ele deixar de ser bobo.

    O assunto ainda é para os adultos e não entendo por que deixam as crianças dar pitaco .

  2. Ricardo R 13 de março de 2019 em 17:34 - Responder

    Isso aí, povo do STF. Cría cuervos…

  3. joao 13 de março de 2019 em 18:53 - Responder

    O que se entende por caixa 2, origem lícita? ou são recursos oriundos de esquema geralmente organizações criminosas, tipo, obras superfaturadas. Entender que é crime eleitoral parece um tanto ingênuo

  4. Rock 13 de março de 2019 em 19:03 - Responder

    Essa lava jato perdeu a oportunidade fazer a coisa certa ao se mostrar apenas perseguidora a um único partido e em momento algum mostrar as provas contra o principal líder politico brasileiro e piorou a situação ao querer abracar 2,5 bilhões de recursos públicos, mostrando na verdade qual é mesmo a sua intenção ou seja colocar alguém de seu quadro na presidência na próxima eleição.

  5. Abaltasar Agraciano 13 de março de 2019 em 19:51 - Responder

    Toffoli está corretíssimo, tem que acabar com esse círculo do elefantinho do Paraná.

  6. Zangado 14 de março de 2019 em 07:03 - Responder

    O estagiário do Supremo deveria olhar pra sua própria sombra …

  7. mario 14 de março de 2019 em 08:13 - Responder

    Eu fico triste…. O Curitibano venera a Lava Jato…. e agora….será que ele vai perceber que foi usado??? que o MPF atua como um Partido Anti PT…Anti Lula???? e os Curitibanos típicos… aquele que tem adesivo da Lava Jato no carro, perceberem que foram trouxas…..

  8. Pablo 14 de março de 2019 em 10:39 - Responder

    Pelo amor de Deus.. os comentários conseguem ser tão repugnantes quanto o fato! A Lava Jato perderá eficácia com essa decisão do STF, só quem ganha são os corruptos.. Um absurdo tremendo! E é repulsivo ver um bom profissional como este Procurador ser criticado desta forma por opinar pelo que é certo

  9. Elton 14 de março de 2019 em 17:19 - Responder

    Pablito, em que mundo você vive meu guri? volta para o jardim da infância criança! Não tenho opinião formada sobre para onde deve ir este recurso, mas sabemos que o poder judiciário já tem seus recursos garantidos e não são poucos os recursos… Essa Lava Jato perdeu toda a credibilidade que tinha, se é que já teve alguma? Pra mim ela nunca passou de um engodo para curitibocas verem e acharem que são o supra sumo da moralidade e da ética, mas não precisa ir muito longe para ver um carro com adesivo da lava jato parado em vaga de idoso ou de portadores de necessidades especiais sem os respectivos adesivos que dão direito a utilizar estas vagas reservadas… Estou louco ou é hipocrisia?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta