Rocha Loures, o da mala, vai enfrentar Moro

A Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestou a favor do desmembramento da denúncia do chamado “quadrilhão” do PMDB da Câmara, determinado pelo ministro Edson Fachin no início do mês. Para a PGR, os casos envolvendo os ex-deputados federais Eduardo Cunha (RJ), Rodrigo Rocha Loures (PR) e Henrique Alves, além do ex-ministro Geddel Vieira Lima (BA) devem permanecer na primeira instância — ao contrário do que pedem Geddel e Cunha em um recurso contra a decisão de Fachin.

Os peemedebistas que perderam o foro privilegiado questionam o envio do caso ao juiz Sérgio Moro afirmando que é impossível separar a denúncia de organização criminosa que inclui Temer. As defesas querem a paralisação do processo inteiro — inclusive no tocante a eles — até o fim do mandato do presidente.

“Esclareça-se que a remessa dos autos à 13ª Vara Federal de Curitiba – com relação aos não detentores de foro especial – não gera risco de decisões contraditórias. Ao contrário, tal medida obedece às regras de prevenção e garante mais celeridade na prestação da justiça”, afirmou o procurador-geral da República em exercício, Luciano Mariz Maia.

1 COMENTÁRIO

  1. Aí ai a lava jato já não anda deixando a roupa assim branquinha , nem omo dupla ação, nem vanish poder o2, e até a Brastemp já foi pro pau. Agora que a direita assumiu o poder, a direita bem ladra e ordinária….tem-se um tanquinho, uma escrava e um sabão ipê…enfim…a coisa vai limpar somente de acordo com o indivíduo que estiver lavando… não é mais um processo. Eu até gostava do moro, mas ele realmente anda tão calado…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui