Projeto permite que policiais quitem impostos com bônus de apreensões

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

Um projeto de lei protocolado nesta semana pelo deputado estadual Soldado Fruet (Pros), possibilita que os policiais militares e civis que apreenderem armas de fogo possam utilizar os bônus previstos no Decreto nº 3.574/2019 para extinguir créditos decorrentes de tributos estaduais, como IPVA, ITCMD e ICMS.

A proposta do Soldado Fruet altera dois artigos da Lei nº 14.171/2003, que instituiu o sistema de bônus e de pontuação para merecimento aos policiais civis e militares que apreenderem armas de fogo. No artigo 4º da legislação vigente, o texto do deputado inclui “a possibilidade de compensação dos montantes percebidos em razão desta lei com créditos tributários, vencidos e vincendos, perante à Fazenda Pública Estadual”.

“Apesar da lei que institui o bônus pecuniário por apreensão de armas ter sido regulamentada por decreto em 2019, diversos policiais vêm enfrentando dificuldades para acesso a esta justa gratificação”, destacou o Soldado Fruet. Segundo ele, “esse bônus é um direito dos policiais, mas diante dos problemas que têm ocorrido para efetivamente receberem os valores devidos, poderão utilizar esse crédito para acertar suas dívidas com o Estado”.

Prazo  – Além disso, o Soldado Fruet ressaltou que o PL busca corrigir um problema prático na obtenção do bônus pelas armas entregues. “Para conseguir a autorização de pagamento é necessário a emissão do laudo pericial, mas há muitas reclamações de demora, o que impede o acesso dos policiais ao valor do bônus”, observou. Por isso, o PL modificou o texto do artigo 2º da Lei 14.171/2003, que trata da entrega das armas apreendidas ao órgão policial responsável pelos procedimentos legais cabíveis, estabelecendo o prazo máximo de 90 dias para elaboração do laudo pericial.

Deixe uma resposta