Povo é favor de medidas radicais contra o crime

A maioria da população brasileira é a favor de medidas mais enérgicas – como as propostas por Bolsonaro durante a campanha – para conter a criminalidade. Passa sempre de 50% e chegam a atingir 91% o índice de brasileiros que concordam as seguintes ideias:

  • devem ser abatidas, sem prévia abordagem, as pessoas que sejam vistas portando armas pesadas (54%)
  • devem ser endurecidas as penas para quem comete crimes de estupro, homicídio, sequestro e tráfico (91%)
  • a maioridade penal precisa baixar de 18 para 16 anos (79%)
  • devem ser eliminados os benefícios de progressão da pena para condenados que pertençam a organizações criminosas (73%)
  • a prisão de criminosos deve começar a valer imediatamente após a condenação em segunda instância (79%)

Estes índices foram levantados em sondagem realizada pelo instituto Paraná Pesquisa, envolvendo 26 Estados e Distrito Federal e em 148 municípios brasileiros. Veja a íntegra:

2019-01-11T14:21:06+00:00 11 janeiro - 2019 - 10:57|Brasil, Paraná, Política|6 Comentários


6 Comentários

  1. Juan Koffler 11 de janeiro de 2019 em 11:29 - Responder

    Exatamente o que acabo de postar em minha própria página do Facebook, mas em abordagem um pouco distinta. Mas, com certeza, o que verdadeiramente está ocorrendo (e não é de hoje, mas histórico) é que nossa sociedade e leniente, omissa, alienada, egocêntrica, descompromissada com a pátria. E isto é simplesmente FATAL. Nossa pátria segue em desabalada “corrida morra abaixo”, enquanto essa asquerosa politicalha que vige de há pelo menos quinze anos vem nos sugando as últimas esperanças de sobrevida com dignidade! Isto é insofismável! Enquanto persistirmos assim – alienados, egocêntricos, descompromissados com a pátria -, continuaremos a ser uma “republiqueta” de fundo de quintal, mesmo que tenhamos a força e o poder de um “gigante pela própria natureza” (por enquanto, válido apenas em nosso festejado Hino Nacional)! Reflitam!!!

    • Eduardo Pereira 11 de janeiro de 2019 em 14:32 - Responder

      Para que gastar tantas palavras para falar tanta besteira. Bateu panela, parceiro? Sabe quem é “leniente, omissa, alienada, egocêntrica, descompromissada com a pátria. ” é a classe meddia paneleira que agora esta vendo o ataque real ao que era para ser publico mas virou particular.

      vai ter laranja pra todo mundo e bastante incompetente mandando nos mais incompetentes ainda.

      • Juan Koffler 11 de janeiro de 2019 em 15:56 - Responder

        Você é muito petulante e metido a besta, Eduardo Pereira, ademais de esconder a cara (o que denota covardia). Como diria o Rei Juan Carlos da Espanha: “Por que não te calas?” Não discuto com deseducados e ignorantes!

      • Juan Koffler 13 de janeiro de 2019 em 11:02 - Responder

        Típico de uma resposta idiotizada que só pode vir de um ignorante que nem sabe o que fala!

  2. Eduardo Pereira 11 de janeiro de 2019 em 14:37 - Responder

    Não vou analisar a pesquisa , mas posso garantir que o publico alvo e os locais de coleta foram todos de classe media.

    Num bairro de pobre , o pessoal não incentiva a morte por que sabe que vai sobrar pra ele.

    A classe media devia pedir mesmo é Carteira de Trabalho e mesa na escola ´pois so isso0 é que vai diminuir a desigualdade e servir para diminuir a violencia.

    A falencia da Policia tambem incentiva a violencia pois juntinho da falta de estrutura vem o asssedio e a corrupção policial.

  3. Leitora 11 de janeiro de 2019 em 18:57 - Responder

    Eu gosto do Eduardo Pereira. Ele é serio e tudo que ele escreve no jornal faz sentido.
    Eu acho que algumas pessoas pensam estar na década de sessenta e budcsb retroceder muito. Eu acho degradante a postura dos Minions, são tão alienados quanto o malvado mentiroso. Teremos muito incompetente mandando no país.
    Mas o mandato acaba.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta