Ponte da Amizade não pode mais ficar fechada, diz Chico Brasileiro

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

O prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro (PSD), defendeu neste sábado (8) a reabertura gradual da Ponte da Amizade na fronteira entre Foz (Brasil) e Ciudad del Este (Paraguai). A ponte está fechada há 145 dias por decisão do governo paraguaio por conta da pandemia do coronavírus. “Sabemos do clamor e a urgência da reabertura da ponte. Para nós que vivemos nesta fronteira fechar uma ponte é o mesmo que dizer fechou tudo”, disse Brasileiro na Rádio Cultura de Foz.

“São prejuízos enorme nos dois lados da fronteira e já passou do momento que precisamos avançar nessa reabertura. É um trabalho intenso que está sendo feito junto com o Codefoz e Codeleste  – os conselho de desenvolvimento das duas cidades”, completou.

Ponte da Amizade não pode mais ficar fechada, diz Chico BrasileiroChico Brasileiro tem conversado com autoridades brasileiras e paraguaias e neste semana se encontrou com o prefeito de Ciudad del Este, Miguel Pietro, e acordaram estabelecer um protocolo sanitário conjunto entre as duas cidades para viabilizar a reabertura da fronteira entre os dois países. “Com essa interação e com os protocolos que estão sendo tratados, temos uma perspectiva (de reabertura) com o governo central paraguaio. Durante a semana, avançamos nessa formalização dos grupos de trabalho no sentido de apoiar o lado paraguaio”, disse o prefeito.

Uma das preocupações é a possibilidade de esgotamento do sistema de saúde iguaçuense com a reabertura da ponte. “Nos preocupa a situação de leitos no Paraguai. Ciudad del Este tem 28 leitos para covid e essa semana parece que vão abrir mais de 10 leitos, mas os paraguaios têm uma grande região de abrangência praticamente um milhão de habitantes. Tudo isso tem que ser estudado”, afirma Chico Brasileiro, que levou Prieto para conhecer a estrutura hospitalar de Foz do Iguaçu.

Reabertura segura – Para enfrentar a situação no lado paraguaio, as soluções apresentadas passam pelo monitoramento da doença na duas cidades e o aumento da testagem para acelerar o controle da doença. “O que podemos oferecer é um protocolo mais seguro possível do ponto de vista sanitário para compreender o estágio da doença. Em termos de casos, são significativos, porque estamos já estamos fazendo os testes e o nosso boletim é atualizado, tudo monitorado.” disse.

Chico Brasileiro destacou o trabalho e o empenho da Universidade Federal de Integração Latino-Americana (Unila) na superação da pandemia nos dois lados da fronteira. “Estão colocando a disposição a ajudar, fazendo inquéritos sorológicos, vemos um engajamento muito grande para que alcance essa reabertura responsável”, disse.

Os dados levantados sobre o estágio da doença serão os principais argumentos principal para os prefeitos convencer os governos nacionais do Brasil e do Paraguai da importância da reabertura gradual e criteriosa da ponte. “Conversei com a Secretaria de Assuntos Federativos que acompanha os municípios de fronteira. Estamos articulando junto ao Ministério de Relações Exteriores e ao Ministério da Saúde todo empenho para que tenhamos o apoio do governo federal pela reabertura, já se percebe um esgotamento dessa situação nos dois lados da fronteira”, afirma.

Brasília e Assunção – O prefeito iguaçuense defende uma reabertura gradual, com limite do fluxo de pessoas de acordo com horário, monitoramento contínuo em relação ao avanço da pandemia na região. “Temos que compreender que a fronteira é uma cidade só, por isso que deve ser uma reabertura gradual, mas a palavra final é de Brasília e Assunção”, disse.

O avanço das negociações com o governo paraguaio pode influenciar de forma positiva as autoridades que também fecharam a Ponte da Fraternidade na fronteira brasileira com Puerto Iguazu (Argentina). “Essa experiência com o Paraguai ajudará muito com a Argentina, e a possível reabertura da Ponte da Fraternidade”, afirma.

“Eu sei que é uma ansiedade muito grande para essa reabertura. Isso vai impactar positivamente no comércio e no turismo. Eu acredito que os próximos passos serão dados na próxima semana. Já existe uma comunhão de esforços para chegar a uma reabertura segura”, completou.

1 comentário em “Ponte da Amizade não pode mais ficar fechada, diz Chico Brasileiro”

  1. Agora o Prefeito de Foz quer mandar no Paraguai! Eles respeitam a vida por lá, e isso está faltando por aqui! Uma coisa que traria um pouco de sensatez a abertura do comércio seria a obrigação dos sócios das empresas estarem presentes e atendendo no balcão, pois é muito fácil por a vida dos empregados em risco e ficar isolado em casa!!!

Deixe uma resposta