Embora figure em todas as pesquisas em posição modesta relativamente aos favoritos Lula e Bolsonaro, o senador Alvaro Dias mantém acesa sua candidatura à Presidência. Seu foco, por enquanto, não tem sido procurar alianças partidárias, mas sim em apostar no crescimento do Podemos, definido por ele ainda não como partido, mas como um movimento. Os partidos que aí estão, diz ele, já não representam a sociedade, principalmente depois da Lava Jato, que revelou as entranhas corruptas e o oportunismo dos políticos, que se servem das siglas apenas em benefício próprio, como afirmou em programa na TV Record, em São Paulo, nesta segunda-feira (27).

Seu trabalho principal tem sido o de convencimento dos formadores de opinião e sobretudo junto às entidades civis mais representativas para demonstrar que é necessário fazer uma outra leitura sobre o cenário político nacional. A polarização entre Lula e Bolsonaro, de que tratam insistentemente os meios de comunicação, é um mal que se faz ao país, levado a crer na inexistência de outras opções não situadas nos extremos da esquerda e ou da direita. Alvaro diz não estar preocupado com rótulos e que não se sente impedido de buscar boas soluções que eventualmente esquerda ou direita apresentem para os problemas nacionais.