Candidato derrotado na eleição, Fernando Haddad disse ao jornal Valor nesta terlça-feira (11) que o futuro governo “tem um jogador do banco de reserva que está no aquecimento antes de começar o jogo”, referindo-se aoo vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão. Haddad afirmou que o núcleo político do presidente eleito teve acesso a relatório do Coaf sobre as transações bancárias de Flávio Bolsonaro, “no mais tardar, no dia 15 de outubro”, quando o motorista e a filha dele foram demitidos. “Por que teve acesso ao relatório e a sociedade não?”

Ao afirmar que Mourão está pronto para a eventualidade da queda de Bolsonaro, Fernando Haddad, além de cometer um exagero, expôs o dilema atual do PT e da esquerda brasileira: se forçar a barra demais e levar ao impeachment do presidente eleito, ex-capitão Jair Bolsonaro, abre caminho para o vice que, pela patente e pela farda, consolida um regime comandado pela tropa.

É a típica situação do se ficar o bicho come, se correr…