Durski, dono do Madero, rompe promessa e demite 600 empregados

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

A rede de restaurantes Madero demitiu, nesta quarta-feira (1.º), mais de 600 funcionários, confirmou o empresário paranaense Junior Durski, controlador da empresa, ao jornal O Estado de S. Paulo. Segundo ele, as demissões se concentraram em equipes voltadas aos projetos de expansão da rede, que previa abrir mais 65 unidades ainda em 2020. A crise do coronavírus deverá cancelar a maior parte dessas inaugurações.

Com histórico de sempre apoiar as políticas de Jair Bolsonaro desde a campanha eleitoral de 2018, Durski divulgou no último dia 23 de março nas redes sociais um vídeo em que defendia a posição do presidente contrária ao isolamento social recomendada pelo ministério da Saúde e pela OMS. O empresário temia o desemprego, a fome e a morte (“de umas 5 ou 7 mil pessoas”) como resultado da recessão que a paralisação da atividade econômica causaria.

Segundo ele, todas as empresas enfrentariam dificuldades e seriam obrigadas a demitir em massa seus empregados – mas este não seria o caso do Madero, uma rede de hamburguerias com 8 mil funcionários. Durski disse que teria cacife para manter todos os empregados por até seis meses, mas acabou se antecipando em mais de cinco meses.

A promessa está no vídeo que saiu primeiro no Instagram dia 23 e parcialmente reproduzido abaixo. A repercussão nacional negativa obrigou o empresário a gravar no dia seguinte outro vídeo pedindo desculpas pela referência às mortes, mas mantendo posição contrária ao isolamento social.

O Estadão registrou que fontes de mercado haviam dito que o total de demissões seria maior, de cerca de 2 mil, mas Durski negou essa informação. “Não sabemos quanto tempo vai durar esse período de lojas fechadas – se vai ser mais um mês ou dois”, disse Durski à reportagem. “Tínhamos 8 mil funcionários (antes da decisão de realizar essas demissões). Fizemos isso para preservar os demais colaboradores.”

A maior parte dos trabalhadores demitidos, segundo Durski, se encontrava em período de treinamento. Eram pessoas que haviam sido recentemente contratadas e estavam sendo treinadas em restaurantes já em funcionamento. Elas, posteriormente, seriam alocadas para funções de atendimento, cozinha e limpeza nas unidades que a empresa ainda abriria.

Ao lado de Luciano Hang, o “Véio da Havan”, Junior Durski é um dos empresários com a imagem mais ligada ao presidente Jair Bolsonaro. Entre os sócios da rede Madero está o apresentador da Rede Globo Luciano Huck, que acalenta o sonho de se candidatar à Presidência da República.

Com a crise do coronavírus, que tem mantido os restaurantes fechados, Durski disse ainda que pretende cortar fortemente a previsão de expansão para este ano. Dos 65 restaurantes previstos, apenas 20 deverão ser abertos, disse.

3 comentários em “Durski, dono do Madero, rompe promessa e demite 600 empregados”

Deixe uma resposta