Três traficantes foram presos em Curitiba neste sábado – uma notícia que não mereceria rodapé se não fossem algumas curiosidades. A prisão foi feita pela operação batizada de “Shark Attack” (ataque de tubarão, em inglês), deflagrada pela Polícia Civil do Rio de Janeiro a partir de um flagrante inusitado: Tubarão, chefe do grupo carioca, tentava fazer um depósito de R$ 99 mil em caixa eletrônico, quando foi percebido pela polícia em razão do forte cheiro de maconha impregnado no dinheiro.

A partir daí as investigações levaram à identificação e prisão de outros oito membros da quadrilha, três dos quais em Curitiba esta manhã: Aparecido Alves de Oliveira, Jeferson Batista Silva de Lima e Silmara Silva Barbosa

A investigação da 19.ª Delegacia Policial (Tijuca) revelou um esquema financeiro que usava empresas fantasmas ou fictícias de vários estados para regularizar recursos obtidos por meio da venda de drogas no Morro do Borel. Num dos casos identificados, uma companhia recebeu 38 depósitos em espécie com valores entre R$ 50 mil e R$ 85 mil entre 1.º de outubro de 2018 e 19 de março de 2019. Ao todo, apenas essa firma recebeu R$ 2.208.805,00